Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Rendimento da poupança: descubra quanto é

Leandro Benincá

Não podemos negar que a poupança faz parte da cultura financeira dos brasileiros. Mas será que vale a pena deixar seu dinheiro lá? O rendimento da poupança é bom, comparado a outras opções igualmente seguras?

Você com certeza já ouviu dos seus pais ou avós o seguinte:

"Guarde um pouco do que ganha na poupança."

Para muita gente (e não são só os mais velhos), falar em poupança é falar de poupar dinheiro, pensar no futuro, fazer o famoso pé-de-meia. E para muita, mas muita gente mesmo, a poupança é a ÚNICA opção de se guardar dinheiro (e quando eu ouço isso, me dá vontade de sair gritando na rua).

Mas quanto é o rendimento da poupança hoje?

Atualmente, a poupança rende em torno de 4,5% ao ano. Já o CDI ou taxa CDI rende hoje cerca de 6,40% ao ano. Continue a leitura para entender, mais a frente, o cálculo que explica o rendimento da poupança.

Os motivos que fazem você deixar seu dinheiro na poupança

Mas dá pra ser compreensivo, claro. A ideia de manter seu dinheiro "investido" de maneira descomplicada e segura é um chamariz. Precisou do dinheiro? É só ir ao banco sacar. Quer aumentar o valor aplicado? É só fazer um depósito no caixa eletrônico mesmo ou uma transferência.

Alguns bancos têm até uma poupança que funciona embutida na conta corrente, onde o dinheiro circula livremente entre as duas contas.

Enfim, não dá pra negar: cadernetas de poupança são extremamente fáceis de se ter e manter, e os grandes bancos sempre fizeram um bom trabalho em divulgar que é um bom investimento.

Mesmo hoje, com mais acesso a outros tipos de investimento, a poupança ainda conquista muita gente, se apoiando nessa fama de segurança e praticidade. Ou seja, um prato cheio pra quem tem preguiça de procurar algo melhor.

Só pode ser por isso. Porque eu olho, e não consigo entender outro motivo para termos, em dezembro de 2018, R$ 776 bilhões depositados em contas do tipo poupança no Brasil.

É muito dinheiro rendendo muito pouco!

E tem, sim, coisa MUITO melhor por aí. Igualmente fácil, igualmente seguro e igualmente prático - só que MUITO mais rentável.

Bora entender, então, como funciona o rendimento dessa bomba da poupança.

Talvez você esteja perdendo dinheiro na poupança

Sabe quando você vai até o mercado dois dias seguidos e percebe que os preços já estão diferentes? Muita gente chama isso de "inflação" mas, na verdade, esse é o efeito da inflação. E é justamente este efeito que é o maior inimigo da poupança.

A inflação, na verdade, é o que acontece quando o governo "infla" a economia, despejando mais dinheiro no mercado. Com mais dinheiro circulando no mercado, o valor dele (do dinheiro) vai ficando menor, já que fica mais fácil de se encontrar: é a famosa lei da oferta e demanda.

Se uma geladeira custa R$ 1.000 em janeiro, e depois a mesma geladeira custa R$ 1.100 em dezembro, não foi a geladeira que ficou mais cara. O valor dela segue sendo o mesmo - ela vale por uma geladeira! Só que o dinheiro perdeu valor, e agora precisamos de mais dinheiro pra trocar pela mesma geladeira.

É claro que, pra simplificar, vamos continuar usando o termo inflação (e omitir o "efeito") - mas agora você já sabe como a coisa funciona!

O índice oficial que mede a inflação no Brasil é o IPCA, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Se você ler "o IPCA subiu", isso significa que a inflação que foi medida é maior agora, em relação à última vez que ela foi medida.

Para fazer essa medida, o índice leva em consideração uma lista de produtos, que é sempre cotada na mesma região. Se a média dos preços aumenta, o índice indica. Mas presta atenção nesta palavra: 'média'.

Dependendo da sua realidade, você pode sofrer mais ou menos com os efeitos da inflação no seu dia a dia. Dependendo dos produtos que consome, onde você mora. Mas, acompanhando o IPCA, você pelo menos vai ter uma base pra saber quanto vale o seu  poder de compra.

Ou seja, saber se seu dinheiro perde valor (ou não) ao longo do tempo.

Um exemplo simples:

Você tem R$ 2.000 para comprar um celular novo, mas, em vez de comprar, coloca o dinheiro na poupança. Um ano depois, você tem R$ 2.100, mas percebe que o celular agora custa R$ 2.200. O seu dinheiro já não vale o mesmo, porque o valor do celular foi reajustado de acordo com a inflação. A poupança teve um rendimento tão baixo que não foi capaz de manter o seu poder de compra. Ou seja, você perdeu dinheiro.

Pensa comigo: um dos maiores objetivos de se fazer investimentos é aumentar seu poder de compra, não é? Então nem precisa de muita conta pra concluir: se você quiser que isso aconteça, precisa de investimentos que te rendam MAIS do que a inflação, para proteger seu poder de compra.

Poupança vale a pena? O problema do rendimento

O rendimento das poupanças é regulamentado pelo governo. Os bancos simplesmente não podem oferecer uma poupança que renda mais ou menos que a de outro banco. Simples assim.

As regras de rendimento da poupança foram alteradas em maio de 2012, para manter a sua rentabilidade sempre abaixo da Selic, que é a taxa básica de juros no Brasil.

Quando você abre uma conta poupança, está emprestando seu dinheiro para um banco, que vai poder usar este dinheiro no seu dia a dia, e te devolver com juros no futuro.

E o motivo do rendimento da poupança ser regulamentado é justamente para que ele se mantenha ABAIXO da Selic sempre, porque o próprio governo também tem o seu sistema de "pegar dinheiro emprestado a juros" - com os títulos públicos.

Com a queda da Selic a poupança ficaria mais rentável que outros investimentos de renda fixa - inclusive os títulos públicos - que são um instrumento muito usado pelo governo para se financiar.

Para evitar essa concentração de dinheiro na poupança, as regras mudaram, deixando esse tipo de investimento cada vez menos atraente.

Cálculo do rendimento da poupança

São duas as regras de cálculo:

  • Se a Selic for menor ou igual a 8,5% ao ano, a poupança rende 70% da Selic mais a TR (Taxa Referencial)

  • Caso a Selic seja superior a 8,5% ao ano, o rendimento da poupança é fixado em 0,5% ao mês mais a TR

E aí tem mais uma pegadinha, fica ligado: A TR, nos últimos anos, tem um valor baixo que não influencia em praticamente nada no rendimento da poupança. Em 2018, ela fechou o ano com o incrível valor de ZERO por cento. Isso mesmo, zero.

"Mas eu prefiro deixar meu dinheiro na poupança, rendendo um pouco menos e poder resgatar sempre que eu precisar. É perfeito!"  

Vá com calma, pequeno gafanhoto!

É claro, não podemos esquecer de mencionar a liquidez, que no caso da poupança, é imediata. Para quem não sabe, liquidez é a capacidade (ou velocidade) que você tem de transformar seu investimento em dinheiro novamente. De sacar ou resgatar seu dinheiro - como se fala popularmente.

E realmente isso se mostra como um ponto positivo para a poupança. Mas hoje em dia  existem outros investimentos que também oferecem exatamente a MESMA liquidez imediata da poupança, rendendo mais.

Existem por exemplo, CDBs - os Certificados de Depósito Bancário, que pagam mais que a inflação e que oferecem liquidez diária. Nos CDBs diários dos bancos tradicionais, você pede o resgate do seu dinheiro, e ele volta para a sua conta corrente no próximo dia útil.

Resgatar na hora + rendimento maior que o da poupança = 💙

Você sabe que a Neon também tem o seu próprio CDB diário, lá na aba Investimentos do seu app, né? Mas a gente tem um diferencial.

Aqui na Neon, a transferência dos seus investimentos para sua conta Neon acontece na hora - a qualquer momento do dia ou da noite. Mesmo em fins de semana ou feriados!

Pra fazer você pensar: quem investiu R$ 100 na poupança em 1 de janeiro de 2018, chegou a 1 de janeiro de 2019 com R$ 104,62, um retorno de 4,62% - segundo a Calculadora do Cidadão, que você pode consultar e fazer diferentes simulações, na página do Banco Central.

Mas é seguro como a poupança?

Um dos pontos positivos da poupança é a segurança. O investidor brasileiro não tem medo de perder dinheiro já que, ao efetuar a transferência do dinheiro, seu investimento está garantido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Isso significa que, se o banco ou instituição financeira quebrar, o FGC te garante essa quantia. Sempre dentro das regras de utilização: R$ 250.000 por CPF e por instituição financeira, até o limite de R$ 1.000.000.

Mas adivinha? Existem outros investimentos em renda fixa que também são garantidos pelo FGC e que têm uma rentabilidade maior. Entre eles, estão os CDBs - que acabamos de falar - as LCIs e LCAs.

Tá vendo que os motivos pra se usar uma poupança são cada vez menores?

E como faz para sair da poupança?

Essas letrinhas podem intimidar, eu sei. Mas, aqui na Neon, tudo é feito para facilitar e simplificar.

Para investir no CDB da Neon, é só abrir o seu app Neon, clicar em Investimentos, escolher entre um objetivo (aplicação automática) e um investimento livre e digitar um valor. Pronto!

Seu dinheiro já começa a render acima da inflação, imediatamente.

Para resgatar seu dinheiro, é tão fácil quanto investir: é só digitar o valor que você quer resgatar e seu dinheiro volta pra sua corrente, na hora, a qualquer hora do dia e da noite.

Se quiser aprender mais sobre esse tipo de aplicação de renda fixa tão segura quando a poupança, aqui no blog tem um artigo com todos os detalhes sobre CDB, inclusive como funciona a tributação dele.

Para terminar, se você acha que não ter Imposto de Renda é uma vantagem da poupança, talvez não conheça esta grande desvantagem: seu dinheiro rende apenas uma vez por mês, na chamada “data de aniversário” da poupança. Outras aplicações de renda fixa rendem todo santo dia!

E aí? Tá pronto pra deixar para trás a velha caderneta de poupança e fazer seu dinheiro render mais?

Comentários

Faz a diferença na sua vida

css-1quq7b8