Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

8 passos para escolher sua corretora de valores e começar a investir

Time Neon

Você sabe como escolher corretora de valores ou nem entende direito por que precisa de uma? É muito simples: se você pretende investir e multiplicar seu dinheiro, vai precisar de uma corretora para intermediar suas aplicações e negociações de ativos.

Essa instituição faz a ponte entre o investidor e o mercado financeiro, permitindo que você acesse os mais diversos investimentos online e monte sua própria carteira. Por isso, é importante saber como escolher sua corretora de valores e começar a investir com segurança e praticidade.

Pronto para dar esse grande passo na sua jornada de investidor? Então, leia todo o artigo e encontre a melhor corretora.

Como escolher uma corretora de valores: começando do básico

Se você quer saber como escolher uma corretora de valores, é porque está se preparando para entrar no mundo dos investimentos, certo? Essa é uma ótima decisão, principalmente nesse momento em que o mercado financeiro se abre para novos e pequenos investidores.

Antes de tudo, você precisa entender o que é uma corretora de valores - abreviação para sociedade corretora de títulos e valores mobiliários.

Basicamente, é uma instituição financeira que faz a ponte entre os investidores e o mercado financeiro, intermediando a compra e venda de ativos para seus clientes. Isso porque os investidores não podem negociar diretamente as ações, cotas de fundos e títulos - é preciso que uma corretora autorizada pelo Banco Central emita as ordens de compra e venda.

Então, se você pretende investir em vários produtos, terá que abrir conta em uma corretora para ter acesso aos ativos e aplicações.

E caso você não saiba: valores mobiliários são títulos financeiros negociados diariamente no mercado financeiro, que podem ser de propriedade ou de crédito, como ações, debêntures, cotas de fundos de investimentos, contratos futuros etc.

Funções da corretora de valores

Além de intermediar seus investimentos, a corretora de valores também pode:

  • Operar em bolsa de valores, mercadorias e futuros;
  • Subscrever emissões de títulos e valores mobiliários no mercado;
  • Comprar e vender títulos por conta própria;
  • Exercer funções de agente fiduciário (agente financeiro que protege os direitos dos investidores);
  • Disponibilizar informações para ajudar seus clientes na análise de investimentos;
  • Administrar carteiras de ativos exclusivas;
  • Organizar e gerenciar fundos e clubes de investimento;
  • Intermediar operações de câmbio;
  • Realizar operações compromissadas.

Atualmente, essas instituições são fiscalizadas pela bolsa de valores, Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Banco Central do Brasil.

Como escolher corretora de valores faz a diferença nos seus investimentos

Saber como escolher uma corretora de valores é um passo essencial para começar a investir do jeito certo e com as melhores condições.

Muito além de disponibilizar os investimentos, a corretora tem a missão de oferecer as oportunidades mais rentáveis para seus clientes. Por isso, essas empresas contam com equipes de economistas, analistas de investimentos e especialistas em mercado financeiro que se dedicam a analisar o cenário e sugerir aplicações e ativos para sua base de investidores.

Assim, as corretoras competem entre si com base na oferta de rendimentos mais atrativos, atendimento personalizado e taxas competitivas para os clientes.

Nessa disputa, sempre há empresas que se saem melhor e ganham popularidade no mercado, seja por oferecer análises certeiras para os investidores, ter uma carteira com desempenho acima da média ou cobrar taxa zero em vários investimentos, por exemplo.

Por que escolher uma corretora de valores, e não um banco tradicional?

Todo investidor iniciante se pergunta por que escolher uma corretora de valores, se os próprios bancos oferecem investimentos.

A resposta é simples: os grandes bancos oferecem opções muito limitadas de aplicações, quase sempre com desempenho abaixo da média em comparação com os produtos das corretoras.

O comum é que os bancos direcionem seus pequenos investidores para produtos mais conservadores como a poupança e deixem os investimentos mais rentáveis para o público “premium”.

Nas corretoras, todos têm oportunidade de acessar aplicações com excelente rentabilidade, além de contar com taxas muito menores e uma variedade de investimentos incomparável.

Para completar, as corretoras facilitam a vida do investidor: tudo pode ser feito pela internet em poucos passos, desde a abertura da conta até a compra de ativos e aplicações.

Para começar a investir, você só precisa abrir a conta (muitas vezes, pelo app), transferir o dinheiro e escolher os produtos mais interessantes na plataforma, montando sua própria carteira de investimentos.

Além disso, a independência das corretoras garante análises aprofundadas do mercado, sugestões exclusivas de investimentos e um atendimento diferenciado.

E o mais importante: o seu sucesso é o sucesso da corretora. Diferente de instituições maiores, que ganham com a venda dos produtos financeiros que interessam a elas.

Como escolher uma corretora de valores em 8 passos

Não é difícil entender como escolher uma corretora de valores, desde que você siga alguns critérios básicos.

Siga o passo a passo antes de abrir sua conta.

1. Pesquise as corretoras na CVM

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) mantém um cadastro com todas as corretoras autorizadas do País. Por isso, o primeiro passo é pesquisar a lista e conhecer as opções do mercado.

Você também pode buscar corretoras habilitadas para operar na bolsa de valores no cadastro da B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

2. Confira as taxas cobradas

Um dos critérios mais importantes para escolher uma corretora de valores são as taxas cobradas pela instituição, já que todo custo impacta seus rendimentos.

A dica é prestar atenção às taxas que já são isentas na maioria das corretoras e comparar os valores das taxas que ainda são obrigatórias.

Estas são as “taxas zero” mais comuns:

  • Taxa para abertura de conta;
  • Taxa de custódia da conta (corretagem);
  • Taxa para transferências entre contas;
  • Taxa para aplicação no Tesouro Direto (normalmente isenta, mas é preciso pagar a taxa de custódia obrigatória da B3 de 0,25% ao ano);
  • Taxa para aplicação em produtos de renda fixa como CDBs, LCI/LCA e debêntures;
  • Taxa para aplicação em fundos de investimento;
  • Taxa para aplicação em ETFs.

Então, é importante conferir se a corretora que você selecionou segue o padrão de isenção de taxas do mercado.

Um exemplo de custo obrigatório que deve ser comparado é a taxa de negociação de ações, que é cobrada por ordem executada em lotes padrão ou fracionários.

3. Verifique as certificações

Na hora de escolher uma corretora de valores, é interessante conferir se a empresa possui as certificações da categoria.

Uma das mais comuns é o Selo Cetip Certifica, que comprova o registro das aplicações do cliente na Cetip (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos), garantindo segurança e transparência nas operações.

Você também pode checar se a instituição possui algum dos selos do Programa de Qualificação Operacional (PQO) da B3, que identificam corretoras especializadas nas categorias Execution Broker, Retail Broker, Agro Broker, Carrying Broker e Nonresident Investor Broker.

4. Analise a reputação da corretora

Não faltam artigos e rankings na internet que elegem as melhores corretoras de valores, e você pode usar essas informações como referência para escolher a sua. Para isso, pesquise fontes de conteúdo confiáveis do mercado financeiro como a  Exame e Valor Investe, por exemplo.

Também vale buscar pela opinião dos clientes e analisar a reputação da empresa antes de abrir sua conta.

5. Veja se há variedade de investimentos

Outro ponto essencial para decidir qual a melhor corretora de valores é avaliar a variedade de investimentos oferecidos. Afinal, a regra de ouro dos investidores é diversificar, e você precisa de uma ampla gama de produtos à disposição para isso.

Quanto maior o cardápio da corretora, melhor para as suas estratégias de investimento.

6. Conheça o home broker

O home broker é a ferramenta utilizada para compra e venda de ações que as corretoras disponibilizam para seus clientes.

Cada instituição desenvolve esse sistema da sua maneira, e você deve avaliar se a ferramenta atende às suas necessidades de investidor.

Basicamente, o home broker deve facilitar a localização das ações para investir, confirmar a ordem de compra ou venda antes de enviar e oferecer um quadro de acompanhamento claro, além de ser estável, seguro e fácil de usar.

7. Considere a agilidade dos serviços

Outro critério para escolher sua corretora de valores é a agilidade na prestação de serviços ao investidor.

Para começar, é importante que você possa abrir sua conta 100% online, de preferência por meio de um app com recursos para envio de documentos e confirmação de identidade.

A aprovação deve ser rápida e você precisa ter acesso a todos os recursos facilmente pelo site ou app, em um sistema ágil e intuitivo.

Se quiser um parâmetro de comparação, pense nas facilidades da conta digital Neon, que permite resolver tudo pelo app e simplificar sua vida financeira.

8. Priorize o suporte

Por fim, as melhores corretoras para investir são aquelas que oferecem um bom suporte e análises diferenciadas ao investidor. Se você é um investidor iniciante, especialmente, é importante ter acesso a relatórios de analistas, sugestões de investimentos e atendimento personalizado.

Com o tempo, essas análises vão se mostrar ainda mais valiosas para orientar sua estratégia e aumentar seus ganhos em longo prazo.

E então, já sabe como escolher sua corretora de valores e começar a investir o quanto antes?

Comente se o texto tirou suas dúvidas e ajudou você a dar mais esse passo nas finanças.

Leia mais:

+ Como investir de acordo com a fase da vida

+ 6 passos para começar a investir na bolsa de valores sem mistérios

+ Rentabilidade x Liquidez: domine os dois conceitos e invista melhor

Comentários