Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

O que são ativos financeiros e como eles podem aumentar seu patrimônio

Time Neon

Os ativos financeiros são instrumentos que permitem aumentar seu patrimônio com o passar do tempo. Eles não são palpáveis como um carro ou um imóvel, mas têm o potencial de gerar renda e podem ser negociados a qualquer momento no mercado financeiro.

Se você já ouviu falar em ações, títulos públicos e títulos privados, já sabe o que são ativos financeiros — só falta aprender a gerenciar os seus.

Então, ficou interessado em aprender mais sobre esses investimentos? Continue com a gente e veja como montar sua carteira de ativos.

O que são ativos financeiros

Ativos financeiros são direitos econômicos que têm um valor específico e podem ser negociados no mercado financeiro. Ao contrário de bens físicos como um veículo, um imóvel ou um computador, eles são intangíveis (não são concretos), pois apenas representam um valor.

É o caso de CDBs, títulos do Tesouro Direto e ações, por exemplo, que estão entre os investimentos mais conhecidos e também são chamados de “ativos de papel”. Cada um deles é um ativo porque gera rendimentos para seu titular ao longo do tempo e pode ser comprado ou vendido no mercado.

Por exemplo, se você investe em um CDB, está comprando um título de dívida privado, ou seja, “emprestando” dinheiro ao banco e recebendo os juros especificados em troca.

Esse título não é um bem que você pode tocar ou carregar por aí, pois existe apenas no meio digital, mas ele gera ganhos financeiros reais por meio do contrato com o banco emissor — no caso, são os lucros da instituição que pagam pelo ativo.

Se você decidir resgatar o dinheiro investido no CDB antes do prazo de vencimento, por exemplo, terá duas opções: vender o ativo antecipadamente para o próprio emissor ou vender para outro investidor no chamado mercado secundário.

É dessa forma que os ativos são comercializados no mercado financeiro e compõem a carteira dos investidores.

Ativos financeiros x passivos financeiros

Enquanto os ativos financeiros são direitos com potencial de gerar renda, os passivos financeiros são exatamente o contrário: despesas, dívidas e obrigações que geram custos em geral.

Alguns exemplos de passivos são contas a pagar, dívidas no cartão de crédito, prestações de financiamentos, entre outras despesas comuns do orçamento. Assim, para alcançar uma situação financeira positiva, você deve garantir que os ativos sejam superiores aos passivos — ou, no mínimo, equivalentes.

Por isso é importante investir e fazer seu dinheiro trabalhar para você, em vez de apenas gastar todo a sua renda com despesas e acabar no zero a zero. Nesse caso, investir significa adquirir ativos financeiros que geram rendimentos ao longo do tempo e aumentam seu patrimônio.

Se você tiver uma boa estratégia de investimentos, pode chegar a viver de renda passiva (rendimentos gerados pelos ativos) e conquistar sua independência financeira no futuro.

Ativos financeiros x outros tipos de ativos

Além dos ativos financeiros, existem outros tipos de ativos que podem compor seu patrimônio pessoal. Os ativos tangíveis, por exemplo, incluem imóveis, veículos, equipamentos e outros bens de valor considerável.

A diferença é que muitos desses ativos também geram passivos e nem sempre têm saldo positivo. Basta pensar nos custos de manutenção de um veículo, que gera gastos com reparos, licenciamento e combustível, e ainda sofre desvalorização contínua no preço de mercado.

Já os imóveis têm maior potencial de valorização ao longo dos anos, mas também incluem gastos de manutenção, impostos e reformas, enquanto os equipamentos sofrem depreciação.

Por isso, os ativos financeiros são mais atrativos para construir patrimônio, já que não geram custos — é preciso considerar apenas o risco de não receber o retorno esperado, dependendo do investimento.

Outra vantagem é que a liquidez dos ativos de papel costuma ser bem maior. Afinal, você consegue vender uma ação na bolsa de valores por um preço justo no mesmo dia em que toma essa decisão, enquanto a venda de um imóvel pode levar meses (e se você estiver com pressa, terá que baixar o preço para acelerar o negócio).

Exemplos de ativos financeiros

Os ativos financeiros estão divididos em duas principais categorias: renda fixa (rentabilidade conhecida no momento da aplicação) e renda variável (rentabilidade imprevisível e alta volatilidade).

Veja alguns dos mais populares do mercado.

Títulos públicos

Os títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo governo federal para financiar a dívida pública do país. Eles são vendidos por meio do Tesouro Direto e podem ser comprados por qualquer investidor.

Ao adquirir um deles, você “empresta” dinheiro ao governo e é remunerado com juros, com baixo risco e garantia do Tesouro Nacional.

Atualmente, é possível escolher entre o Tesouro Selic, Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA, além de opções com e sem juros semestrais.

CDBs, LCIs/LCAs e LCs

Os CDBs, LCIs/LCAs e LCs são os ativos mais conhecidos da categoria dos títulos privados de renda fixa, ou seja, títulos de dívida emitidos por bancos e empresas.

Ao comprá-los, você disponibiliza seu capital em troca dos juros prometidos, que podem ser pré ou pós-fixados.

Enquanto os CDBs servem para captar recursos para os bancos, o capital aplicado em LCIs e LCAs é direcionado às indústrias imobiliária e do agronegócio.

Cotas de fundos de investimento

As cotas de fundos de investimentos são ativos que representam sua participação nessas aplicações coletivas.

Quando você compra uma delas, se torna cotista e tem direito a receber rendimentos na proporção do dinheiro investido.

A vantagem é que você conta com uma gestão profissional e não precisa se preocupar com a movimentação da carteira de ativos financeiros.

Ações

As ações são ativos de renda variável que representam a menor porção do capital social das empresas.

Logo, comprar uma ação na bolsa de valores dá direito à participação nos resultados do negócio — sejam positivos ou negativos.

Ao contrário dos ativos de renda fixa, os papéis estão sujeitos à volatilidade do mercado e têm suas cotações ajustadas de acordo com a oferta e demanda dos investidores.

Ficou muito complexo? Aqui você confere um guia completo sobre como aprender a investir do zero e multiplicar seu dinheiro.

Como construir e gerenciar ativos financeiros

Agora que você sabe o que são ativos financeiros, precisa entender como adquirir os seus e construir seu patrimônio pessoal. Confira algumas dicas para começar.

1. Organize suas finanças

Para adquirir ativos financeiros, você precisa primeiro organizar suas finanças e entender como anda seu balanço patrimonial pessoal.

Comece listando todos os passivos que você possui, como despesas, dívidas e prestações em geral. Depois, calcule o quanto você está comprometendo da sua renda mensal e monte um orçamento para equilibrar as contas.

Se você tiver mais passivos consumindo seu dinheiro do que ativos rendendo, é claro que não vai chegar muito longe nos seus objetivos.

Para te ajudar a colocar as finanças em ordem, você pode usar nossa planilha gratuita que já está pronta para ser usada, confira aqui.

2. Comece a juntar dinheiro

Se o seu objetivo é montar uma carteira de ativos financeiros, juntar dinheiro todo mês é essencial para começar a investir.

Na hora de organizar o orçamento, é importante reservar entre 10% e 30% dos ganhos mensais para seus objetivos financeiros.

Para não ceder à tentação de gastar com outras coisas, você pode programar uma aplicação automática ou separar esse dinheiro imediatamente quando receber seu salário.

Se precisar de um empurrãozinho, você também pode começar a juntar dinheiro com o Desafio 52 Semanas — dá para começar com R$ 1 por semana. Neste artigo explicamos tudo o que você precisa saber sobre o desafio.

3. Forme uma reserva de emergência

O primeiro ativo financeiro da sua lista deve ser a reserva de emergência — o fundo ao qual você vai recorrer em caso de imprevistos como demissão, perda de renda ou incapacidade temporária.

O ideal é que o dinheiro guardado seja suficiente para cobrir entre 6 e 12 meses dos seus gastos mensais, dependendo da sua ocupação e grau de estabilidade.

Para deixar essa quantia rendendo e ao mesmo tempo ter disponibilidade para retirá-la a qualquer momento, você pode optar por um ativo de renda fixa com baixo risco e liquidez diária como o CDB Neon.

4. Mire nos ativos de renda fixa

Se você é um investidor iniciante, deve começar a criar ativos investindo em produtos de renda fixa, que têm risco menor e maior previsibilidade de retorno.

Como vimos, os títulos públicos, CDBs, LCIs/LCAs e LCs são boas opções para aplicar seu dinheiro e começar a entender a dinâmica do mercado financeiro.

Eles oferecem uma rentabilidade baixa em tempos de juros em queda, mas são a porta de entrada para explorar outros ativos financeiros futuramente.

Só depois de dominar a renda fixa é que você deve se aventurar pela renda variável e encarar o sobe e desce dos preços em busca de ganhos maiores.

Se você quiser aprender ainda mais sobre investimentos, aqui temos uma lista com 8 cursos gratuitos que irão te ajudar.

5. Diversifique seus ativos financeiros

Diversificar os ativos financeiros da sua carteira é uma forma de se proteger dos riscos e aumentar as chances de ter um bom retorno a longo prazo.

Quando você distribui o capital investido, um ativo com baixo desempenho não compromete toda a sua rentabilidade e pode ser compensado por outra aplicação com performance melhor no período.

Por isso os investidores falam tanto para “não colocar todos os ovos na mesma cesta”, ou seja, evitar a concentração dos investimentos em poucos ativos.

 

E agora, deu para entender o que são ativos financeiros e como eles são importantes na sua vida financeira? Deixe seu comentário contando em quais ativos pretende investir primeiro.

Comentários