Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Pagar dívida ou investir meu dinheiro? Decida com nossas 6 dicas

Time Neon

Decidir entre pagar dívida ou investir é um dilema comum na vida financeira de qualquer pessoa.

De repente, você tem um dinheiro sobrando e imagina o quanto ele pode render se for aplicado, mas, ao mesmo tempo, se lembra dos débitos pendentes.

E agora: é melhor quitar o que deve logo de uma vez ou deixar o dinheiro rendendo enquanto paga prestações?

Vamos ajudar você a analisar sua situação financeira e escolher entre pagar dívida ou investir.

Leia com atenção e siga nossas dicas para começar a investir na hora certa.

Pagar dívida ou investir: eis a questão

A dúvida entre pagar dívida ou investir costuma surgir quando temos algum dinheiro sobrando e não sabemos muito bem o que priorizar.

Por um lado, quitar a dívida pode aliviar o orçamento e livrar você do risco de atraso e inadimplência.

Por outro, investir vai fazer seu dinheiro render a longo prazo e deixar você mais perto dos seus objetivos financeiros.

Então, qual a melhor decisão nesse caso? Não há uma resposta única porque depende muito da situação.

Na maioria das vezes, pagar a dívida é a atitude mais sensata a se tomar, mas é preciso considerar o valor do débito, o prazo de pagamento, os juros cobrados, se há parcelas em atraso, entre outras questões.

Da mesma forma, você terá que avaliar o tipo de investimento e os objetivos que você tem com ele — e se o dinheiro extra será um episódio único ou vai fazer parte da sua renda.

Como decidir entre pagar dívida ou investir

Na dúvida entre pagar dívida ou investir, o primeiro critério a ser avaliado é a situação do seu débito.

Se a dívida estiver atrasada, por exemplo, não precisa nem pensar duas vezes: pague o quanto antes para evitar a ação dos juros e o famoso “efeito bola de neve”.

Se estiver em dia com o pagamento, você precisa avaliar o tamanho da dívida e o quanto ela compromete seu orçamento.

Por exemplo, se você parcelou um notebook novo no cartão de crédito em 12 vezes e ele está comprometendo 10% da sua renda mensal, pode ser vantajoso antecipar as parcelas para conseguir se planejar melhor nos próximos meses.

Outro critério importante é um possível desconto que você pode receber antecipando o pagamento.

Por exemplo, alguns empréstimos abatem parte dos juros quando você adianta parcelas — como no caso do empréstimo Neon, que concede descontos na antecipação.

Da mesma forma, várias linhas de financiamento trabalham com abatimento de juros, principalmente no crédito imobiliário e automotivo.

Nesse caso, vale a pena usar o dinheiro extra para quitar a dívida logo de uma vez e economizar esse pagamento.

Quando você deve pagar dívida e quando deve investir

De modo geral, a decisão entre pagar dívida e investir pende para o lado da quitação do débito.

O motivo é simples: não adianta você ser remunerado pelos juros do investimento por um lado se está pagando juros de dívida do outro.

Além disso, muito dificilmente a aplicação vai render mais do que os juros que você paga em empréstimos e financiamentos, principalmente se for um investimento em renda fixa.

Outro motivo para quitar as dívidas antes de investir é conseguir se planejar melhor para poupar dinheiro todo mês, formar sua reserva de emergência e só então começar a investir para multiplicar seu patrimônio — o caminho mais promissor para equilibrar sua vida financeira.

A única situação em que você pode optar pelo investimento é quando a dívida já está inserida no seu orçamento mensal, tem baixo impacto nas suas finanças e não apresenta vantagens na antecipação, como uma compra pequena parcelada no cartão de crédito.

Nesse caso, você pode manter as parcelas nos gastos fixos mensais e separar uma parte da renda para investir todos os meses — lembrando que as despesas no crédito não podem ultrapassar 30% do seu orçamento em hipótese alguma.

Para todos os outros tipos de dívidas, vale mais a pena pagar o que deve e liberar sua renda futura para investir com mais tranquilidade e frequência.

O que é necessário saber antes de começar a investir

Como vimos, pagar as dívidas é um passo importante a ser feito para, então, começar a investir com as finanças equilibradas.

Mas, além de ter dinheiro disponível para aplicar todo mês, também é essencial formar sua reserva de emergência antes de iniciar no mercado financeiro.

Esse fundo deve ser suficiente para cobrir suas despesas essenciais por um bom tempo — de 6 a 12 meses, dependendo da sua ocupação e previsão de estabilidade da renda.

Assim, tendo uma reserva para lidar com imprevistos, você consegue diversificar mais seus investimentos e assumir riscos maiores para aumentar seus ganhos.

É como todo investidor experiente faz: deixa uma parte do patrimônio segura em ativos de renda fixa com liquidez diária e baixo risco, para então se aventurar na renda variável e encarar a volatilidade em nome de lucros maiores.

Então, além de não ter dívidas consideráveis, você também precisa ter sua reserva de segurança, caso queira aproveitar ao máximo o que o mercado financeiro tem a oferecer.

6 dicas para pagar suas dívidas e começar a investir

Agora que você tem condições de decidir entre pagar dívida ou investir, vamos ajudar com algumas dicas para se livrar dos débitos e começar a aplicar seu dinheiro o quanto antes.

Veja se as sugestões são úteis para você.

1. Descubra quanto você deve no total

Se você está decidido a pagar as dívidas para começar a investir, o primeiro passo é descobrir quanto você deve no total.

Para isso, some todas as prestações de empréstimos e financiamentos, parcelas de cartão de crédito, boletos de carnê e outros débitos no seu nome.

O resultado vai mostrar como anda sua situação financeira e se é o momento de fazer um esforço para quitar suas dívidas.

2. Renegocie tudo o que puder

Se você tiver dívidas em atraso, vale a pena tentar uma renegociação com os credores para aliviar o peso dos juros.

Geralmente as empresas estão abertas a acordos, desde que você se comprometa a pagar as parcelas em dia.

O objetivo é chegar a um valor justo para ambas as partes e evitar consequências mais drásticas, como protestos, negativação e até apreensão de bens.

3. Aproveite as ações do Serasa

Para quem está com o famoso “nome sujo”, o Serasa sempre dá oportunidades para quitar dívidas com desconto e regularizar a situação.

Em setembro de 2020, por exemplo, o órgão lançou uma ação do Serasa Limpa Nome para quitação de dívidas com 50% de desconto.

Dependendo da empresa, é possível conseguir descontos de até 90% pagando a dívida pela plataforma.

4. Considere um empréstimo com juros menores

Se você tem um montante considerável em dívidas e corre o risco de pagar juros altos por causa disso, tomar um empréstimo com juros menores para pagar todas de uma vez pode ser uma solução.

Claro que essa deve ser sua última opção, caso as negociações não funcionem e as dívidas estejam se acumulando, mas ainda é melhor do que deixar o débito crescer em vários credores.

Nesse caso, o empréstimo deve ser uma “virada” na sua vida financeira, e a prestação fixa resultante deve ser prioridade no seu novo orçamento por um bom tempo.

5. Organize suas finanças

Seja para pagar dívida ou investir, você terá que organizar seu orçamento de qualquer forma se quiser avançar financeiramente.

Isso significa ter um padrão de vida compatível com sua renda, planejar os gastos mensais e garantir que sobre um dinheiro para poupar todo mês.

No início, essa sobra pode ser usada para quitar suas dívidas, e, assim que você pagar a última parcela, estará livre para aplicar o dinheiro onde quiser e atingir seus objetivos.

Podemos ajudar você com nossa planilha de gastos exclusiva, nossas dicas para organizar sua vida financeira e uma conta digital perfeita para acompanhar seus gastos direto no app.

6. Receba juros em vez de pagar

A maior motivação possível para quitar as dívidas antes de investir é pensar que você estará recebendo juros em vez de pagar para os outros.

Ao acertar os débitos pendentes, você terá o caminho livre para investir no seu futuro e alcançar seus objetivos, como fazer uma viagem, comprar um imóvel ou conquistar a independência financeira.

Assim, você estará colocando o dinheiro para trabalhar para você, em vez de viver para pagar contas e sentir que não chega a lugar nenhum.

E se você já está dando os primeiros passos nos investimentos, lembre-se de começar pela renda fixa e fazer alguns cursos gratuitos para ter mais segurança.

E agora, ficou mais fácil escolher entre pagar dívida ou investir seu dinheiro?

Antes de fazer seus cálculos, deixe um comentário contando o que você decidiu.

 

Leia também:

+ Como organizar o salário em 8 passos com a Neon

+ 7 dicas para crescer financeiramente e concretizar seus objetivos

+ Planejamento de metas: realizando planos de curto, médio e longo prazo

Comentários