Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Como fazer um orçamento pessoal do zero em 7 passos que funcionam

Time Neon

Quer saber como fazer um orçamento pessoal do zero e colocar ordem nas suas finanças? Se você não controla seus ganhos e gastos, chegou a hora de virar essa página na sua vida financeira e começar a correr atrás dos seus sonhos.

Afinal, quando se trata de dinheiro, você só consegue atingir suas metas com organização e disciplina. Quer ver como fazer um orçamento pessoal não é tão complicado?

Continue lendo e aprenda a criar o seu passo a passo para reconquistar o poder sobre seu dinheiro.

Importância de fazer um orçamento pessoal

Aprender como fazer um orçamento pessoal é um requisito básico para organizar sua vida financeira e alcançar seus objetivos. Mas, para isso, não basta saber quanto você ganha e gasta por mês.

Sabe quando as pessoas dizem que vão “consultar seu orçamento” antes de tomar uma decisão de compra ou fazer uma viagem? Com isso, elas querem dizer que têm suas finanças planejadas para curto, médio e longo prazo, e precisam verificar se o gasto caberá no planejamento atual ou se pode comprometer as finanças do próximo mês.

Ou seja: o orçamento não inclui apenas o registro presente das suas receitas e despesas, mas também as projeções financeiras para o futuro. Na prática, ele é uma estimativa de quanto você vai ganhar e quanto deve gastar para atingir suas metas, considerando a aplicação mais eficiente possível do dinheiro disponível.

Por isso, elaborar um orçamento pessoal é a primeira etapa para assumir o controle das suas finanças e seguir o caminho da prosperidade. Que tal aproveitar e aprender também a organizar o orçamento familiar e definir prioridades? Confira.

Abaixo mostramos alguns pontos que exemplificam por que é importante ter as finanças devidamente organizadas.

Educação financeira

A aula de como fazer um orçamento pessoal deveria ser obrigatória na formação de todos, mas sabemos que essa não é a realidade do país.

Na verdade, nossa educação financeira está longe do ideal e pouco se fala sobre a necessidade de organizar as finanças desde cedo.

É justamente por isso que nunca é tarde para colocar a vida financeira nos eixos. Para começar, que tal fazer alguns cursos sobre o assunto? Veja uma lista com 8 opções gratuitas e online.

Controle do orçamento pessoal

48% dos brasileiros não controlam o próprio orçamento, segundo uma pesquisa do SPC Brasil publicada em 2020.

Desses, 25% confiam apenas na memória para anotar despesas, enquanto 20% não fazem nenhum registro das finanças e 2% delegam essa função para terceiros.

Planejamento das contas

Essa mesma pesquisa mostra que 39% dos entrevistados só começaram a dar atenção ao orçamento depois de ficarem endividados e com o “nome sujo” e 33% não planejam o mês com antecedência.

Esse cenário explica por que tantas pessoas têm dificuldade para pagar as contas em dia, juntar dinheiro ou usar o crédito de forma consciente, por exemplo. Sem um orçamento pessoal, fica impossível manter o controle dos gastos e gerenciar a renda corretamente.

E não adianta achar que está controlando tudo “de cabeça”, porque nossa mente já vive ocupada com inúmeras preocupações — e assim você vai deixando os gastos passarem e nunca sabe para onde está indo seu dinheiro.

Vantagens de ter um orçamento pessoal

Depois de aprender como fazer um orçamento pessoal, você começará um novo capítulo da sua vida financeira. Nessa nova fase, você terá poder sobre seu dinheiro e poderá tomar decisões mais conscientes, fazer planos, investir e alcançar seus objetivos.

Entre as vantagens de ter um orçamento pessoal, estão:

  • Controle total sobre os gastos e ganhos
  • Possibilidade de distribuir a renda conforme as prioridades
  • Facilidade para utilizar os diferentes tipos de crédito com responsabilidade (cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimos, financiamentos, etc.)
  • Prevenção do endividamento e das compras por impulso
  • Melhora no perfil de crédito (ou seja, mais chances de conseguir empréstimos com juros menores)
  • Capacidade de fazer planos de curto, médio e longo prazo
  • Condições para poupar e investir mensalmente
  • Capacidade de lidar com imprevistos sem formar dívidas

 

E, claro, há também a tranquilidade de ter suas finanças registradas e planejadas mês a mês.

Como fazer um orçamento pessoal em 7 passos

1. Calcule sua renda líquida

O primeiro passo para fazer seu orçamento pessoal é calcular sua renda líquida total — o dinheiro que entra limpo na sua conta corrente todo mês. Se você trabalha como CLT, terá que descobrir qual é seu salário líquido, descontando todos os impostos e contribuições do valor nominal.

No caso do PJ, é importante descontar obrigações como impostos e honorários do contador, por exemplo. Além disso, você deverá somar todas as fontes de renda, como salários, freelas, rendimentos de investimentos, pensões e qualquer outra quantia que entre mensalmente na sua conta.

Se não tiver salário fixo, o planejamento será um pouco mais trabalhoso (vale considerar um valor médio para começar), mas ainda assim valerá muito a pena.

2. Liste todas as suas despesas

Depois de saber quanto você ganha, é hora de descobrir quanto você gasta.

Basicamente, existem três tipos principais de despesas:

  • Despesas fixas: gastos que não variam ou variam muito pouco mensalmente, como aluguel, condomínio, mensalidades, prestações e serviços por assinatura
  • Despesas variáveis: gastos que variam de acordo com a frequência e intensidade do consumo, como as contas de água e luz, combustível do carro e alimentação
  • Despesas eventuais: são despesas esporádicas difíceis de prever, como uma manutenção no carro, gastos com medicamentos e reparos em geral

 

As despesas fixas mensais são fáceis de estimar, mas as variáveis e eventuais são as que mais impactam o orçamento e precisam ser controladas de perto. Para isso, você pode fazer uma média do quanto foi gasto nos últimos meses.

Aqui mostramos 9 dicas para economizar nas despesas variáveis, confira.

3. Escolha uma ferramenta para se organizar

Com os seus ganhos e gastos mapeados, o próximo passo é escolher uma ferramenta para organizar todos esses dados.

Segundo a pesquisa do SPC Brasil que apresentamos acima, 36% dos brasileiros ainda utiliza o velho caderninho de anotações, enquanto a planilha digital é usada por 9% e os aplicativos por 7%.

A vantagem de utilizar os recursos digitais é que a planilha ou software já faz os cálculos por você e poupa muito trabalho, além de ser uma forma mais intuitiva e prática de organizar as finanças.

Com a planilha de gastos gratuita da Neon, por exemplo, você terá controle total sobre seu dinheiro e conseguirá resolver sua vida financeira gastando poucos minutos por semana.

BAIXAR PLANILHA COMPLETA

BAIXAR PLANILHA SIMPLIFICADA

4. Use um método de orçamento

Com seus ganhos e gastos organizados na planilha, você já terá uma boa noção de como tem usado seu dinheiro.

Agora é o momento de categorizar suas despesas e usar um método para distribuir seu orçamento da melhor forma possível.

Nós recomendamos o método do pote, que consiste em dividir a aplicação do seu dinheiro da seguinte maneira:

  • 55% da renda para as despesas básicas como aluguel, luz, telefone, alimentação e transporte
  • 10% para formar sua reserva de emergência e cumprir objetivos de curto prazo (ex.: comprar um smartphone novo)
  • 10% para investir a longo prazo
  • 10% para educação e capacitação profissional (cursos, workshops, livros, etc.)
  • 10% para entretenimento (cinema, bar, restaurante, viagens, etc.)
  • 5% para presentes e doações

 

Mas é claro que você pode ajustar as porcentagens de acordo com seus hábitos e prioridades.

5. Acompanhe seu orçamento de perto

Agora você já tem a ferramenta, o método e todos os dados necessários para acompanhar seu orçamento de perto mês a mês. Mas, para que a organização dê certo, é fundamental separar um tempinho para registrar seus gastos e avaliar a situação toda semana.

Se você usar a planilha de gastos da Neon que mostramos anteriormente, por exemplo, só terá que anotar as movimentações da sua conta no livro de registros e deixar o resto com o computador, pois os cálculos são feitos automaticamente conforme a divisão de gastos que você definiu.

Se estiver usando algum outro recurso, lembre-se de monitorar seu saldo e verificar se você está seguindo o orçamento proposto.

6. Faça projeções

Além de acompanhar seus gastos no dia a dia, é importante fazer projeções para os próximos meses para ter uma visão mais ampla da sua situação financeira.

Por exemplo, quando você faz compras a prazo, é preciso incluir as parcelas nos gastos fixos dos próximos meses para entender qual porcentagem da renda foi comprometida.

Além disso, você pode calcular quanto tempo levará para atingir os objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo de acordo com o valor poupado por mês.

Se precisar de um empurrãozinho para isso, aqui temos um guia completo sobre como fazer um planejamento de metas.

7. Faça do orçamento um compromisso

Por fim, não adianta saber como fazer um orçamento pessoal se você não estiver totalmente comprometido com ele. Para que a ferramenta funcione, você precisa incluir o controle financeiro na sua rotina e se manter focado nos objetivos definidos.

Isso significa estar sempre atento ao saldo da conta, fugir das compras por impulso, cortar gastos desnecessários, evitar dívidas e ficar de olho nos seus investimentos — tudo em nome da sua saúde financeira.

Com o tempo, o orçamento fará parte do seu dia a dia e você ficará cada vez mais motivado com os resultados.

 

E agora, já sabe como fazer seu orçamento pessoal do zero? Comente se já baixou a planilha da Neon ou se vai usar algum método próprio.

Comentários