Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Como poupar e formar a sua reserva de emergência 2021 sendo autônomo

Time Neon

A reserva de emergência 2021 é o projeto financeiro mais importante para os autônomos — principalmente para aqueles que ainda não guardam dinheiro.

Se você está nessa situação, chegou a hora de se organizar para poupar todo mês e ter uma segurança em caso de imprevistos.

A gente sabe que essa medida exige grande esforço. Se com salário fixo já é complicado fazer a gestão financeira, fica ainda mais difícil com uma renda que varia mês a mês.

Mas com determinação e um bom planejamento é possível conquistar sua reserva de emergência 2021 e ter uma vida financeira mais tranquila.

Continue lendo e descubra como guardar e investir seu dinheiro.

Reserva de emergência 2021: não dá mais para adiar

Planejar sua reserva de emergência 2021 deve ser uma prioridade, caso você ainda não tenha um dinheiro guardado para gastos que não estavam planejados.

Para autônomos, esse fundo emergencial é ainda mais importante, já que não dá para contar com um salário fixo na conta todo mês.

Se o faturamento não for suficiente para pagar as contas ou você tiver um imprevisto, precisa ter de onde tirar para não recorrer ao crédito em excesso e acabar endividado.

É aí que entra a reserva de emergência, que é basicamente uma quantia guardada para cobrir despesas urgentes ou substituir sua renda por um tempo, caso você fique impedido de trabalhar ou não tenha bons resultados.

Esse dinheiro garante que você não será pego de surpresa por gastos emergenciais e evita a tomada de empréstimos quando os trabalhos estiverem em baixa.

Para formar sua reserva para 2021, você terá que calcular quanto precisa juntar para ficar tranquilo e se planejar para guardar um pouco por mês.

Importância da reserva de emergência 2021 para autônomos

Formar sua reserva de emergência para 2021 é uma forma de garantir sua saúde financeira e lidar melhor com os altos e baixos do mercado.

Quando você tem um fundo emergencial, consegue superar um período com menor demanda de trabalho sem dificuldades, além de sempre estar pronto para imprevistos, como um conserto inesperado no carro, uma cirurgia urgente ou um eletrodoméstico que para de funcionar.

Um grande exemplo da importância da reserva é a própria pandemia do coronavírus, que pegou os brasileiros desprevenidos: 62% da população se deparou com a quarentena sem nenhuma reserva financeira, de acordo com uma pesquisa da Anbima publicada em 2020.

E não são apenas imprevistos ruins que demandam um dinheiro extra: oportunidades como um curso de última hora, uma promoção imperdível ou um convite para um casamento também envolvem gastos que não estavam planejados.

Por isso, todo autônomo precisa ter sua reserva emergencial com dinheiro suficiente para cobrir despesas inesperadas e garantir alguns meses dentro do orçamento caso não haja trabalho.

Se para quem ganha salário fixo esse fundo já é indispensável, imagine para quem não sabe exatamente quanto vai receber no próximo mês.

Além disso, a reserva de emergência é um ponto de partida para ter mais segurança financeira e poder diversificar seus investimentos.

Desafios para formar uma reserva de emergência como autônomo

Apesar da importância da reserva de emergência 2021 para autônomos, sabemos que não é fácil poupar dinheiro quando sua renda é instável. Por isso, quem trabalha por conta própria precisa ser mais organizado e se planejar com antecedência.

Normalmente, já é preciso estar atento aos períodos com maior e menor demanda, dependendo da atividade, buscando compensar os meses mais fracos com as épocas de mercado aquecido. Além disso, os gastos fixos não mudam, independentemente do desempenho do mês.

Nessa rotina, é raro sobrar algum dinheiro para guardar, porque a tendência é aproveitar os momentos com maior faturamento e segurar as pontas nos tempos difíceis.

Logo, o desafio é se programar para poupar no meio desse fluxo — o que exige comprometimento com as metas e disciplina.

7 passos para formar sua reserva de emergência 2021

Agora que você entende a importância da reserva de emergência 2021 para autônomos, vamos ajudar você a alcançar esse objetivo.

Siga o passo a passo para formar a sua.

1. Defina o período da reserva

A reserva de emergência tem um valor único para cada realidade e precisa ser dimensionada de acordo com as suas necessidades.

Obviamente, um prestador de serviços autônomo ou MEI precisa ter mais dinheiro guardado do que um funcionário público ou um profissional com salário fixo e estabilidade, por exemplo. Pensando nisso, o ideal é que você consiga poupar o suficiente para cobrir seus gastos essenciais por cerca de 12 meses.

Parece muito tempo, mas é um prazo razoável para uma migração de área profissional, abertura de um negócio próprio ou qualquer outra mudança considerável que você precise fazer na sua vida.

Afinal, nós nunca sabemos quanto tempo levará para reorganizar as finanças quando resolvemos seguir um caminho diferente — e é melhor estar tranquilo para tomar essa decisão.

2. Some seus gastos mensais

O próximo passo é calcular seus gastos mensais para definir quanto precisará ser poupado.

Para isso, você terá que levar em conta três tipos de despesas:

  • Despesas fixas: gastos que não variam ou variam muito pouco mensalmente, como aluguel, condomínio, impostos fixos e mensalidades
  • Despesas variáveis: gastos que variam de acordo com a frequência e intensidade do consumo, como as contas de água e luz, combustível do carro e alimentação
  • Despesas eventuais: são despesas esporádicas difíceis de prever, como uma manutenção no carro, gastos com medicamentos e reparos em geral

 

Então, basta somar as despesas fixas e tirar uma média das despesas variáveis de acordo com o seu histórico de consumo. Lembrando que você deve desconsiderar os gastos supérfluos e deixar apenas os essenciais, já que a reserva deverá ser usada somente em situações que não foram previstas.

Para facilitar a tarefa, você pode usar nossa planilha de gastos pronta.

3. Calcule o valor da reserva

Agora que você definiu por quanto tempo a reserva deve durar e qual sua média de gastos mensais, é só calcular o valor do fundo.

Por exemplo, se você quer garantir uma reserva para 12 meses e gasta cerca de R$ 2 mil ao mês para se manter, o valor ideal é de R$ 24 mil.

Mas se você decidiu que 6 meses são suficientes, deverá juntar R$ 12 mil.

4. Organize suas finanças atuais

Com o valor da reserva de emergência 2021 definido, é hora de se organizar para juntar o dinheiro necessário até o ano que vem.

Para começar, você precisa descobrir qual sua renda média mensal, tomando como base os últimos 12 meses e suas projeções para os próximos meses.

Alguns autônomos também têm parte dos rendimentos fixos, como é o caso dos freelancers que fecham contratos de longo prazo com clientes.

O importante é encontrar um valor aproximado da sua renda, pois ele será necessário para planejar sua reserva.

Se tiver dificuldades, veja nosso guia de planejamento financeiro para quem não tem salário fixo e nosso artigo sobre fluxo de caixa para autônomos.

5. Decida quanto deve poupar por mês

O próximo passo é decidir quanto você consegue poupar por mês com base na sua renda média e na meta de poupança para a reserva de emergência 2021.

Supondo que você queira completar uma reserva de 6 meses até dezembro de 2021 e comece a poupar em outubro de 2020, por exemplo, seria preciso guardar R$ 800 por mês, seguindo o padrão de renda do exemplo acima.

Mas é claro que você pode aliviar as metas e aumentar o prazo de poupança — o importante é sempre guardar uma parte do faturamento todo mês, mesmo que seja pouco.

Para quem não tem o hábito de poupar e não tem de onde tirar dinheiro caso haja uma emergência, conseguir uma reserva para 2 ou 3 meses já é uma grande vitória.

6. Crie estratégias para poupar dinheiro

Sabemos que não é fácil poupar dinheiro trabalhando como autônomo e você vai precisar de um pouco de criatividade para cumprir suas metas da reserva de emergência 2021. Uma dica é dividir sua meta de poupança por trimestre, já que o valor recebido varia mês a mês.

Por exemplo, em vez de guardar R$ 200 por mês, você pode traçar uma meta de R$ 600 a cada 3 meses. Assim, você pode guardar R$ 300 em um mês com bom faturamento, R$ 200 no outro e R$ 100 naquele mês com menos demandas — e vai atingir seu objetivo da mesma forma.

Além disso, vale a pena acelerar a formação da sua reserva quando tiver um pico de faturamento, investindo uma boa quantia de uma vez só antes que você acabe gastando.

7. Aplique sua reserva de emergência

Para terminar, não é porque o dinheiro vai para a reserva de emergência 2021 que ele deve ficar parado na sua conta.

Na verdade, o ideal é aplicar a reserva em um investimento que ofereça rendimento acima da poupança e liquidez diária (possibilidade de retirar seu dinheiro a qualquer momento).

Assim, seu dinheiro fica rendendo e continua disponível para retirada em caso de imprevisto.

Uma ótima opção para investir sua reserva é o CDB Neon, que rende entre 95% e 101% do CDI (mais que a poupança), tem liquidez diária e permite aplicações livres ou programadas automaticamente.

E agora, está mais confiante para lançar o projeto reserva de emergência 2021?

Aproveite e deixe seu comentário contando se as dicas ajudaram e como você pretende começar.

 

Leia mais:

+ Organização financeira pessoal: como se manter focado e mudar hábitos

+ Como organizar o salário em 8 passos com a Neon

+ Como começar seu plano de independência financeira hoje mesmo

Comentários