Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

10 ideias de negócios para vender muito em 2020

Time Neon

É de uma lista inspiradora com ideias de negócios digitais para 2020 que você precisa? Reunimos as principais tendências e segmentos promissores para empreender na internet.

São dicas de mercados, produtos e modelos de negócio que prometem alavancar as vendas online em 2020 — e que você já pode testar na prática.

Quer sair na frente da concorrência e se tornar um empreendedor digital bem-sucedido? Siga a leitura e comece o quanto antes!

Por que investir em ideias de negócios digitais 2020

As ideias de negócios digitais 2020 já estão no radar dos empreendedores, pois o consumo online não para de crescer no Brasil.

De acordo com o relatório Webshoppers 40ª edição, publicado em 2019 pela Ebit|Nielsen, 36% dos brasileiros já são digital buyers (consumidores digitais).

Além disso, o país tem o maior faturamento do e-commerce na América Latina, tendo alcançado a cifra de R$ 133 bilhões em 2018. 

No total, o crescimento do comércio eletrônico foi de 12% no primeiro semestre de 2019, com 20% mais pedidos e R$ 65,2 milhões em vendas.

E esses são apenas os números do e-commerce, sem contar outros negócios digitais como infoprodutos e produção de conteúdo online.

Logo, esse é o momento de tirar as ideias de negócios do papel e colocar seu site, blog, loja virtual ou canal online. Vamos ajudar com algumas sugestões e insights.

10 ideias de negócios digitais 2020

Quer se inspirar com ideias de negócios digitais 2020 e começar a ganhar dinheiro pela internet?

Então confira nossas dicas exclusivas, baseadas nas últimas tendências do empreendedorismo digital.

1. Vender roupas e acessórios online

No relatório Webshoppers deste ano, os bens não duráveis puxaram o crescimento do e-commerce, com destaque para o segmento de moda e acessórios — com uma fatia de 18% do mercado online.

Ou seja: vender roupas, sapatos, bolsas e bijuterias pode ser um bom negócio na internet, com ticket médio de R$ 169,00 entre os pedidos contabilizados pela Ebit|Nielsen.

Você pode começar vendendo seus produtos em um marketplace como o MercadoLivre, por exemplo, e expandir o negócio para uma loja virtual própria.

Vale lembrar que recursos avançados como provadores virtuais estão otimizando a compra de moda online e superando as principais objeções desses consumidores.

Além disso, os serviços de troca e devolução estão cada vez mais ágeis, aumentando ainda mais a confiança do e-shopper.

2. Criar um clube de assinatura

Com a queda da popularidade das compras coletivas, entraram em cena os clubes de assinatura digitais.

Esse tipo de negócio online oferece kits de vinhos, cervejas, livros, roupas, produtos para pets e até produtos eróticos selecionados de acordo com o perfil dos assinantes do serviço.

Assim, o cliente recebe os produtos mensalmente no conforto do seu lar, contando com o privilégio de uma curadoria avançada.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) publicados na Folha de S. Paulo, o segmento cresceu 167% entre 2014 e 2018, somando mais de 800 novas empresas.

O segredo do sucesso está na exclusividade de ter produtos selecionados ao seu gosto e comodidade de recebê-los em casa, pagando um valor fixo mensal para fazer parte do clube.

Já existem clubes de todos os tipos, que vendem desde cafés especiais até roupas da moda - só falta você usar a criatividade para inventar o seu.

3. Apostar nas soluções SaaS

As soluções SaaS (Software as a Service) impulsionaram o crescimento do mercado de TI em 2018 e ganham cada vez mais fôlego.

A previsão da consultoria Gartner é de que esse modelo de negócio cresça 22% até o final de 2019, de acordo com dados publicados na Computer World.

Basicamente, o SaaS é um software em nuvem vendido no modelo de assinatura mensal, que poupa o cliente da burocracia da instalação e do pagamento de licenças de uso.

Nesse segmento, entram ferramentas de marketing, finanças, RH, CRM (Customer Relationship Management) e soluções completas de ERP (Enterprise Resource Planning), por exemplo.

Então, se você tem afinidade com o mercado B2B (Business to Business) e com a tecnologia, o SaaS é um negócio altamente promissor.

4. Vender perfumes, cosméticos e produtos de saúde

A categoria de perfumes, cosméticos e produtos de saúde está empatada com o segmento de moda e acessórios na liderança de vendas online, segundo o Webshoppers.

Inclusive, seu ticket médio é até mais alto: R$ 197,00 por pedido.

A vantagem, nesse caso, é que são produtos de validade longa e fáceis de serem estocados e enviados pelos Correios ou transportadora.

Além disso, o mercado de beleza resistiu firmemente à crise e cresceu 10,64% no primeiro trimestre de 2019, segundo dados da Abrafarma publicados no Correio Braziliense.

Ou seja, trata-se de uma ideia de negócio digital resiliente.

5. Vender infoprodutos

Outro mercado em plena ascensão na internet é o de infoprodutos, ou produtos digitais como cursos online, e-books, vídeos, podcasts, audiobooks, webinais, entre outros formatos.

Esses produtos são vendidos e monetizados por meio de plataformas como Hotmart, Monetizze e TurboMKT, que movimentam o chamado marketing de afiliados.

Nesse modelo de negócio, há três atores principais: os produtores (criadores de infoprodutos), as plataformas de negócios (empresas que funcionam como marketplaces dos infoprodutos) e afiliados (vendedores que divulgam os produtos e ganham comissão).

Logo, você pode criar seus próprios infoprodutos com conteúdo exclusivo e recrutar os afiliados para espalhar seu negócio pela web, com alto potencial para escalar suas vendas.

6. Vender produtos para pets

O Brasil é o segundo maior mercado pet de varejo do planeta, e as perspectivas de crescimento são otimistas.

O foco para 2020, de acordo o levantamento, está na nutrição animal, que é o carro-chefe atual do setor.

Ou seja: se você quer se aventurar no mercado pet, a grande aposta é a venda de rações online, com estimativa de faturamento de R$ 16,14 bilhões em 2019.

7. Investir no turismo online

O turismo online é outro segmento que cresce a todo vapor, acumulando um crescimento de 73% desde 2012, segundo o relatório Webshoppers 38ª edição, publicado em 2017 pela Ebit|Nielsen.

Este ano, todas as atenções estão voltadas para os cruzeiros: a procura por navios turísticos aumentou 21% no primeiro semestre de 2019, segundo dados da Clia Brasil divulgados pela Agência Brasil.

Naturalmente, os turistas preferem a comodidade das agências de viagens e intermediadores online para planejar suas viagens, pesquisar destinos e definir roteiros.

Além disso, todo o processo de compra de passagens e fechamentos de reservas é facilitado pela internet.

Por isso, vale a pena disputar uma fatia desse mercado em plena expansão.

8. Entrar no mercado artesanal

Entre as 10 principais tendências do consumo mundial apontadas pelo relatório Global Consumer Trends 2019, publicado pelo Euromonitor, está o mercado de produtos artesanais.

No mercado de cosméticos, por exemplo, estão em alta os produtos “DIY” (Do It Yourself ou “faça você mesmo”), que levam ingredientes naturais na composição e são feitos à mão.

Da mesma maneira, os novos consumidores tendem a priorizar itens locais, de pequenos produtores, e que sigam diretrizes do comércio justo e ambientalmente responsável.

Se você tem familiaridade com produtos artesanais esse é o momento de promovê-los online e criar fenômenos de vendas.

9. Vender wearables

Os wearables, ou “dispositivos vestíveis”, estão caindo no gosto dos brasileiros e sinalizam uma nova onda de gadgets.

As vendas desses produtos chegaram a 87.974 unidades no primeiro trimestre de 2019, o que representa um salto e tanto de 51,6% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados de uma pesquisa realizada pelo IDC e publicada na Tech Mundo.

Os mais procurados são os relógios e pulseiras inteligentes, principalmente aqueles com funções fitness e de monitoramento da saúde.

Então, você pode aproveitar a previsão de crescimento de impressionantes 91% até o fim de 2019 para explorar essa tendência em uma loja virtual.

10. Desenvolver um app de compartilhamento

Por fim, é bom saber que a economia compartilhada deve movimentar US$ 335 bilhões no mundo todo até 2025, segundo um relatório da consultoria PwC publicado no jornal O Globo.

No Brasil, a perspectiva é que aplicativos de compartilhamento ao estilo Uber e Airbnb atinjam 30% do PIB de serviços em 2019.

No mercado, já existem apps para compartilhar caronas, salas comerciais, quartos, bicicletas, armários e até mesmo turbinas de avião.

Quem sabe você tem uma grande ideia e pode criar o próximo aplicativo bilionário?

Como aproveitar as tendências de negócios digitais

Viu como não faltam ideias de negócios digitais para 2020?

Se você quer empreender na internet, o primeiro passo é pesquisar sobre o mercado em que deseja atuar e cruzar os dados com as perspectivas de vendas online.

Depois, você também precisa estudar a fundo o público-alvo e a concorrência, além de traçar um plano de negócio completo.

Você vai notar que abrir um negócio online é menos burocrático e mais rápido do que uma empresa tradicional, mas o trabalho de planejamento e gestão é o mesmo.

Por isso, você pode contar com a Neon Pejota para controlar as finanças do seu novo negócio bem de perto, com direito a ferramentas que ajudam a gerir entradas e saídas.

Afinal, os negócios digitais pedem ferramentas 100% online que simplificam a gestão, e não poderia ser diferente com a sua conta jurídica.

Gostou das dicas de empreendedorismo digital?

Então deixe um comentário e compartilhe seus insights sobre negócios digitais em 2020.

Comentários