Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Empréstimos para empresas: quando vale a pena e qual escolher

Time Neon

Você está pesquisando empréstimos para empresas e tem dúvidas se vale a pena para o seu negócio?

Muitos empreendedores acreditam que recorrer ao crédito parece arriscado demais por conta dos juros. Mas, muitas vezes, você pode ter lucros bem mais altos do que as taxas cobradas e usar seu crédito como um propulsor de crescimento do negócio.

Tudo depende da situação do seu negócio e das oportunidades à frente, além da sua capacidade de planejar a tomada do empréstimo para a empresa.

Por isso, preparamos um artigo completo para você aprender a usar o crédito empresarial de forma inteligente.

Continue lendo e descubra as opções mais vantajosas.

Empréstimos para empresas: podem ser um bom negócio?

Os empréstimos para empresas, quando bem administrados, podem dar o fôlego que seu negócio precisa para crescer ou sair de uma situação complicada.

Muitos empreendedores deixam de utilizar suas opções de crédito por receio de acumular dívidas e não dar conta de pagar os juros. Essa preocupação é legítima, mas os empréstimos não são, necessariamente, sinônimo de prejuízo.

Pelo contrário: podem ser grandes oportunidades de aumentar seus lucros. Nesse caso, o crédito funciona como um combustível para sua impulsionar seu negócio e expandir suas operações.

Você deve estar se perguntando: “Mas e os juros?”.

Sim, é verdade que qualquer banco ou investidor precisa cobrar sua porcentagem sobre o dinheiro emprestado, para que o mercado de crédito faça sentido. Mas, se você planejar bem seu empréstimo e tomá-lo apenas quando fizer sentido, poderá cobrir esses juros e sair no lucro com o retorno do capital adquirido.

Logo, cabe a você procurar as linhas de crédito mais interessantes e com os juros mais baixos, além de planejar seu investimento para colher frutos o mais rápido possível.

Em resumo, estas são algumas situações em que o empréstimo para empresas é um bom negócio:

  • Sua empresa está crescendo rápido e você precisa atender ao aumento repentino da demanda;
  • Você não está conseguindo pagar os juros de um empréstimo anterior e quer trocar essa dívida por outra mais barata;
  • Você identificou uma oportunidade única de abrir uma nova unidade ou expandir seu negócio para um novo nicho e precisa de capital imediato;
  • Seu capital de giro não está sendo suficiente para cobrir as despesas e precisa de um reforço para sustentar seu crescimento;
  • Você precisa investir em inovação e infraestrutura para superar a concorrência.

Em todos os casos, você precisa recorrer ao crédito pensando no futuro, e não apenas em uma solução imediata para cobrir rombos no orçamento. Isso porque o empréstimo é um compromisso que você assume em médio e longo prazo, e que deve ser incluído nas despesas fixas mensais da sua empresa.

Se você conseguir transformar esse capital injetado em mais receita para a empresa, vai cobrir o custo do empréstimo com juros e ainda lucrar cada vez mais.

Cuidados com os empréstimos para empresas

É claro que os empréstimos para empresas exigem alguns cuidados, para evitar o temido efeito “bola de neve” das dívidas.

Veja quais as principais precauções ao optar pelo crédito empresarial.

Considere outras fontes de capital

Antes de decidir pelo empréstimo, vale considerar todas as possibilidades de conseguir capital sem recorrer a terceiros.

Se a sua demanda não for urgente, será que é possível cortar alguns custos e juntar a quantia necessária?

Existem aplicações financeiras ou bens que podem se tornar capital imediato para a empresa?

Será que é o momento de buscar investidores para agregar capital e ideias ao negócio?

Essas alternativas devem ser colocadas na balança antes de fechar o empréstimo, dependendo das necessidades da sua empresa.

Planeje o que vai fazer com o dinheiro

Ao escolher o caminho do empréstimo empresarial, você precisa saber exatamente qual será o destino e propósito de cada centavo.

Nessa hora, é preciso ter disciplina para tomar o empréstimo do mínimo necessário à execução dos seus planos, seja para investir em uma nova unidade de negócio, comprar equipamentos ou aumentar seu capital de giro em um determinado período.

Faça o empréstimo como pessoa jurídica

Ao escolher sua linha de crédito, não cometa o erro de fazer o empréstimo como pessoa física, imaginando que o processo será mais simples.

É exatamente o contrário: as opções de crédito para pessoa jurídica são muito mais vantajosas, possuem juros menores e podem ser negociadas com mais facilidade.

Isso vale também para as micro e pequenas empresas, que contam com várias opções facilitadas de crédito.

Além disso, a regra é nunca misturar suas finanças pessoais com as finanças da empresa, sob risco de perder o controle.

Calcule suas dívidas atuais

Antes de fazer seu empréstimo, você também precisa levantar todas as dívidas atuais da empresa com outros créditos e financiamentos. Esse passo é importante para avaliar sua saúde financeira e confirmar sua capacidade de quitar mais uma dívida.

Em alguns casos, você pode descobrir que está pagando juros muito altos e decidir reduzi-los com seu novo empréstimo.

Parece muito arriscado pagar um empréstimo com outro empréstimo, mas ainda é um bom negócio se os juros forem menores e você tiver certeza de que vai conseguir pagar.

Estude suas opções e faça simulações

Não faltam opções no mercado de crédito para atender às necessidades da sua empresa, seja qual for o porte e objetivos. Por isso, é muito importante estudar todas as linhas de crédito disponíveis em bancos públicos e privados, agências de fomento, instituições financeiras, fintechs, etc.

Na próxima seção, vamos conhecer melhor cada uma dessas alternativas.

Onde encontrar empréstimo para a empresa

Agora que você já sabe quais cuidados deve tomar, está na hora de escolher entre as opções de empréstimos para empresas.

Felizmente, existem muitas opções de crédito para alimentar esse crescimento dos pequenos negócios. Conheça as principais e escolha a mais vantajosa.

Bancos públicos

Os bancos públicos possuem inúmeras linhas de crédito que se adaptam a diferentes portes e segmentos de empresas.

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), por exemplo, possui linhas específicas de até R$ 360 mil para microempresas e até R$ 4,8 milhões para pequenas empresas, tais como:

Já a Finep (Financiadora de Inovação e Pesquisa), oferece créditos exclusivos para a inovação:

  • Inovacred Empresa e ICTs: financiamento para projetos de desenvolvimento de novos produtos, serviços e processos entre R$ 150 mil e R$ 10 milhões;
  • Inovacred Expresso: financiamento de inovações até R$ 200 mil a 3% ao ano;
  • Tecnova: repasse de até R$ 400 mil para projetos de inovação aprovados em edital.

Outro crédito muito utilizado pelos pequenos microempreendedores é o Microcrédito Produtivo Orientado Caixa, de até R$ 15 mil com juros de 3,3% ao mês.

Bancos privados

Os bancos privados também disponibilizam suas linhas de crédito específicas para empresas, além de repasses do próprio BNDES.

Cooperativas de crédito

As cooperativas de crédito são associações que prestam serviços financeiros para os próprios membros, facilitando o acesso a empréstimos de baixo custo.

Ao se associar a uma dessas organizações, especialmente na categoria de pequenos empreendedores, você consegue emprestar dinheiro com juros mais baixos e condições exclusivas.

É claro que, para participar, é preciso contribuir com uma cota mensal de acordo com seu plano de associado.

Alguns exemplos de cooperativas são a Sicredi, Sicoob e Unicred.

Fintechs

As fintechs são startups voltadas às finanças que vêm ganhando destaque no mercado de crédito para MPMEs porque proporcionam um processo mais ágil de concessão de crédito e taxas muito mais atrativos do que os bancos tradicionais.

Atualmente, está em alta a modalidade de empréstimos online P2P (peer-to-peer), que conectam empresas que precisam de dinheiro a investidores dispostos a oferecer o valor.

As fintechs intermediam essa relação e garantem que o empreendedor consiga a menor taxa, enquanto o investidor consegue o maior retorno possível. Se você quer obter um empréstimo com menos burocracia e taxas amigáveis, essa é uma excelente escolha.

Como planejar a tomada de empréstimo para sua empresa

Enfim, vamos ao passo a passo para planejar sua tomada de empréstimo sem correr riscos.

Siga nossas dicas para acertar na escolha.

1. Defina os objetivos e estratégias

Para planejar empréstimos para empresas, é preciso definir previamente como o dinheiro será investido e dará o retorno necessário. Para isso, você deve listar os objetivos do crédito (expansão, inovação, aumento do capital de giro etc.) e as estratégias para obter o retorno suficiente para pagar a dívida.

Por exemplo, se você pretende investir o dinheiro em uma nova filial, deverá calcular todos os custos e prever o faturamento esperado desde o início da operação, traçando estratégias para inaugurar a unidade e promover as vendas.

2. Calcule seu prazo de retorno

Para decidir se um empréstimo vale a pena, você precisa saber em quanto tempo ele vai se pagar.

Para isso, basta usar a fórmula:

Prazo de retorno = valor investido / lucro gerado

Vamos supor que você esteja pensando em pegar um empréstimo de R$ 200 mil para implementar uma nova tecnologia e agilizar sua produção.

Com uma taxa de juros de 2% ao mês para pagar em 12 meses, por exemplo, você deve ter parcelas mensais de R$ 18.911,26 e uma dívida final em torno de R$ 226.943,52.

Importante: na conta acima, não constam taxas, multas de atraso e outras possíveis obrigações contratuais. Com esse número em mente, você passa para o cálculo do aumento esperado na produtividade e nas vendas.

Sua estimativa é de que você terá um aumento de R$ 22 mil nos seus lucros mensais depois do investimento.

Logo, a conta será:

Prazo de retorno = (prazo para implementação da tecnologia desenvolvida com o empréstimo) + (valor total do crédito / aumento do lucro mensal).

Assim, se você estima que a implementação demore seis meses, podemos fazer a seguinte conta:

Prazo de retoro = 6 + 10,31.

Logo, você levará cerca de pouco mais de 16 meses para recuperar o valor do seu empréstimo.

Isso, é claro, se o seu planejamento estiver correto e a empresa realmente aumentar os lucros como o esperado.

3. Escolha uma fonte e linha de crédito

Depois de ter certeza da sua capacidade de honrar a dívida, é só escolher a fonte e linha de crédito mais vantajosa para a sua empresa.

Para isso, é importante considerar todas as opções que apresentamos, pesquisar a fundo as condições de cada produto e fazer simulações em calculadoras específicas.

Ao selecionar a melhor oferta, leve em conta os juros simples e compostos, documentações exigidas, prazos de pagamento, carência e demais condições.

4. Analise os fatores de restrição

Também é importante que você analise os fatores de restrição para cada linha de crédito, como situação legal, garantias, capital próprio exigido, entre outras condições.

Inclusive, algumas instituições financeiras exigem um plano de negócios para provar que seu projeto é financeiramente viável.

Se a análise de crédito estiver muito complicada, vale a pena recorrer aos modelos peer to peer para facilitar o processo.

Sempre haverá uma opção sob medida para o seu projeto, desde que você saiba usar seu empréstimo para crescer e escolha juros que caibam no orçamento.

Depois, é só pagar suas parcelas em dia e fazer esse dinheiro render o máximo possível!

E aí, gostou de saber sobre empréstimos para empresas? Conta pra gente nos comentários!

Leia mais:

+ O que é Pronampe e como pedir crédito para a sua empresa

+ Como ganhar dinheiro com o Facebook do jeito certo

+ Tudo sobre economia circular e sua importância para gestão financeira

Comentários