Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

O que você precisa saber sobre coronavírus, economia e circuit breaker

Mariana Lima

Você já ouviu falar dele na rádio, televisão, internet e entre seus amigos e familiares. O novo coronavírus, um tipo de vírus que vem se espalhando pelo mundo desde dezembro do ano passado, quando surgiu na China, está afetando o dia a dia dos brasileiros e da economia mundial.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) sintomas causados pelo novo coronavírus são parecidos com uma gripe: febre alta, tosse, coriza e dificuldade para respirar. A grande preocupação agora é com a velocidade no processo de contaminação pelo coronavírus, que tem acionado o sinal vermelho em todas as grandes nações do globo.

A pandemia tem gerado o principal problema econômico no momento. Países da Europa e Ásia, Estados Unidos e Canadá já sofrem com falta de alguns produtos nas prateleiras de supermercados. As escolas foram fechadas, assim como teatros e cinemas, além do cancelamento de eventos com aglomeração de pessoas.

O transporte público nesses países também tem recebido atenção especial e muitos têm declarado quarentena para seus moradores – ou seja, ninguém deve sair de casa, mesmo que não esteja infectado com a doença.

As recomendações do governo até agora para lidar com o coronavírus

Por aqui, para evitar ainda mais complicações no sistema de saúde e na economia do País, o governo brasileiro sugeriu algumas recomendações para a população:

  • Cancelar grandes eventos, sejam eles governamentais, esportivos, políticos, comerciais, religiosos;
  • Evitar viagens internacionais;
  • Lavagem de mãos corretamente e frequentemente;
  • Uso de álcool em gel 70% para higienização das mãos e objetos pessoais (celulares, computadores etc) e lavagem das mãos frequentemente;
  • Evitar contato físico em cumprimentos, como aperto de mão, abraços e beijos;

 

Para regiões do País que estão na fase de transmissão comunitária do vírus (São Paulo e Rio foram os primeiros a serem classificados assim), as orientações se ampliam:


Na dúvida, se for possível, o ideal é evitar sair de casa quando não há necessidade. A recomendação vale mesmo que você não tenha viajado ou encontrado com alguém com suspeita de infecção por coronavírus.

Caso você tenha contato direto com pessoas do grupo de risco (idosos, diabéticos, hipertensos, quem tem insuficiência renal crônica e/ou doença respiratória crônica), o cuidado tem que ser mais do que redobrado, ok?

No Brasil não há falta de mantimentos em supermercados e farmácias, por isso, não precisamos ter pânico! Para evitar a contaminação durante as compras, aproveite que o seu cartão Neon é contactless (pagamento via aproximação) ou use o seu celular Android pra realizar o pagamento via Google Pay ou Samsung Pay.

O que as empresas podem fazer para evitar a disseminação do coronavírus

“Neon, eu sou dono de uma empresa, mas estou perdido sobre como fazer a minha parte. Me ajuda?”

Se você é dono de uma empresa, a disseminação do novo coronavírus já deve ter entrado na pauta do dia, né?

Uma das principais medidas hoje é evitar o contato entre pessoas para diminuir a velocidade da propagação da doença. Então, se for possível, aplique o modelo de home office para a sua equipe. Aqui você encontra um guia gratuito que vai garantir a saúde e produtividade dos seus funcionários!

Para administrar as finanças da sua empresa não tem segredo, né? Clientes Neon Pejota conseguem fazer tudo online, sem precisar sair de casa! É isso mesmo: não precisa sair de casa para ir a uma agência bancária abrir a conta ou para ter atendimento, é tudo 100% digital 24h por dia e 7 dias por semana!

A Neon também adotou medidas internas contra a propagação do coronavírus. Veja mais sobre isso aqui.

Os impactos econômicos do coronavírus aqui no Brasil

Apesar do coronavírus estar se espalhando agora pelo País, o assunto já estava mexendo com o bolso do brasileiro há mais tempo. Como a economia é globalizada, o Brasil já sofria os primeiros impactos antes mesmo de ter o primeiro caso da doença anunciado.

O primeiro sinal de que o vírus impactava na economia do Brasil foi o reflexo na alta no valor do dólar em território nacional (você já leu sobre isso aqui no blog!). Na prática, empresas que vivem de importação ou que têm dívidas atreladas à moeda americana viveram momentos de desespero ao ver chegar a R$ 5 o valor de US$ 1 por aqui (também já explicamos sobre como a sua empresa pode se precaver disso 😉).

Coronavírus e as bolsas de valores

Depois do dólar, seguiram os impactos nas bolsas de valores. Como efeito dominó, assim que o coronavírus se espalhou pelos Estados Unidos e Europa os papéis nas bolsas de valores de lá começaram a se desvalorizar. E o mesmo aconteceu com o Brasil.

Nas últimas semanas, a B3 (Bolsa de Valores de São Paulo) registrou seis momentos de circuit breaker.

É, recentemente o termo circuit breaker tem ganhado destaque nos jornais e programas de TV. Mas você já entendeu bem o que ele é e por que é importante saber sobre ele mesmo que não tenha ações na bolsa?

Entendendo o que é o circuit breaker

Circuit breaker é um mecanismo usado pela B3 para proteger os investidores da bolsa de valores brasileira. E é lá na bolsa de valores que sabemos a quantas andam os ânimos dos investidores em apostar nas grandes empresas do País. Isso consequentemente impacta nos preços dos produtos, número de empregos entre outros indicativos da economia brasileira.

É por isso que quando muitas pessoas estão vendendo suas ações, a bolsa suspende o período de compra e venda de ações (chamado de pregão) por um determinado período - o tal do circuit breaker!

Na prática, funciona assim: quando o índice formado pelas compras e vendas de ações das principais empresas listadas na bolsa – o Ibovespa - cai 10%, a B3 suspende as negociações por 30 minutos. Assim, evita que mais pessoas vendam suas ações e que essas empresas se desvalorizem rapidamente.

Depois desse período, a negociação volta a acontecer normalmente, mas se os investidores continuarem assustados vendendo suas ações e o Ibovespa cair ainda mais (registrar queda de 15%), o pregão é suspenso de novo, dessa vez por 1 hora.

Se depois desse período as ações continuarem sendo vendidas muito rapidamente, a bolsa de valores pode pedir um novo circuit breaker. Nesse caso, a B3 decide por quanto tempo as negociações de compra e venda de ações ficarão suspensas.

Essa medida tenta manter a normalidade das negociações na bolsa, evita fraudes e a desvalorização de empresas que estão listadas na B3.

Como proteger seu dinheiro em tempos de alta volatilidades

Nesse cenário de instabilidade econômica mundial, os investimentos de renda fixa são os mais seguros. Títulos pós-fixados do Tesouro Direto e CDBs não estão diretamente ligados à bolsa de valores, logo, são uma ótima pedida para quem procura estabilidade nos rendimentos.

Clientes Neon continuam com a facilidade de investir em CDB a partir de R$ 10 com apenas alguns toques no app. A contratação é segura, rende mais que a poupança e você pode sacar o valor quando quiser – independente do dia e da hora!

Para ter CDB na Neon basta abrir o app no seu celular e buscar a área de INVESTIMENTOS. Não precisar falar com gerente de banco por telefone ou ir à uma agência bancária. Demais, né?

Se você ainda não é cliente Neon, você pode abrir a sua conta digital agora, sem sair de casa, direto pelo seu celular. É fácil, seguro e sem burocracia. Vem com a gente! 😉

Ficou com alguma dúvida de como deixar suas contas no azul mesmo em época de coronavírus? Conta pra gente nos comentários!

Leia mais:

+ Como montar um home office com pouco dinheiro (e muita criatividade)

+ Entenda o impacto da alta do dólar na economia brasileira

Comentários