Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Entenda a suspensão do pagamento do Fies

Mariana Lima

Desde que se agravou a pandemia do novo coronavírus aqui no Brasil, o Governo tem apresentado uma série de medidas para tentar diminuir os impactos na economia. Depois de dar benefício aos autônomos e as pequenas e médias empresas, é a vez dos estudantes que usam o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) serem contemplados.

No dia 25 de maio, o Ministério da Educação (MEC) anunciou que estudantes que usam o Fies poderão deixar de pagar o valor previsto no contrato por até quatro meses. Para isso, é necessário atender alguns pré-requisitos, que falaremos mais adiante.

Quer entender mais como funciona a suspensão do pagamento do Fies? Vamos te explicar:

Como funciona o Fies e quem tem direito ao benefício?

O Fies é um programa do Ministério da Educação que financia os cursos de graduação de estudantes em Universidades e Faculdades particulares.

Para participar do Fies, é preciso se inscrever no site do programa e atender a alguns pré-requisitos: fazer o Enem, nunca ter finalizado um curso de graduação e ter renda familiar de até três salários mínimos.

Quem é selecionado, conta com a ajuda do Governo para pagar as mensalidades do curso. A parte bancada pelo Governo é parcelada depois, e o estudante pode quitar a dívida em até 14 anos.

Como funcionam os pagamentos e renegociação do Fies?

O contrato do Fies é dividido em três fases:

  • Utilização: equivale ao período de duração do curso, quando o estudante paga a cada três meses o valor de até R$ 150. Essa taxa é referente aos juros incidentes sobre o financiamento;
  • Carência: corresponde aos 18 meses depois da conclusão do curso. Nessa época, também há pagamento de até R$ 150 a cada três meses, referente aos juros;
  • Amortização: depois que acaba a fase de carência, o saldo devedor do estudante é parcelado em até três vezes o período financiado da duração regular do curso. Por exemplo: se o curso foi financiado por quatro anos, você terá 12 anos para pagar o valor custeado pelo Governo.

O Governo permite ainda a renegociação do Fies. Você pode ver mais detalhes na página oficial do MEC.

O que mudou com a pandemia?

De acordo com a nova portaria, estudantes que estão na fase de utilização ou de carência (de contratos feitos até o 2º semestre de 2017) podem suspender até duas parcelas, ou seja, dois meses de pagamento. Já quem está na fase de amortização, o limite sobe para quatro meses.

As parcelas suspensas não vão sofrer juros nem multas por atraso. Mas atenção: o novo benefício só contempla quem estava com o pagamento do Fies em dia em 20 de março, quando o Governo declarou estado de calamidade pública no País.

Quem ficou inadimplente depois do dia 20 de março também pode ser beneficiado. Porque a portaria permite que o benefício seja aplicado às parcelas retroativas, que não foram pagas desde então.

Importante: quem participa do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies) não receberá o benefício.

Como pedir a suspensão do pagamento do Fies?

Os interessados em pedir a suspensão do pagamento das parcelas precisam sinalizar interesse pelo benefício até dia 31 de dezembro na Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil – os dois bancos ainda não anunciaram quais canais vão disponibilizar para que receber os pedidos.

E aí, gostou da novidade? Conta pra gente nos comentários!

Leia mais:

+ O que você precisa saber sobre lockdown

+ Guia prático sobre o Simples Nacional

+ O que é PIB e como ele impacta na sua vida

Comentários