Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Seguro de vida: o que é e quando vale a pena contratar um

Mariana Lima

A pandemia do novo coronavírus despertou a preocupação de milhões de pessoas sobre o seu futuro e o das suas famílias. A instabilidade trouxe uma série de dúvidas: para além de criar uma reserva de emergência e ter um bom plano de saúde, eu preciso ter um seguro de vida?

A busca por esse tipo de seguro tem crescido nos últimos meses, acompanhando a preocupação dos brasileiros com o aumento no número de casos. Quando o País foi oficialmente apontado como novo epicentro da doença, a preocupação sobre o futuro ficou ainda mais escancarada.

Para além da pandemia, o seguro de vida já era usado no Brasil em alguns casos. Seja por precaução familiar ou por exigência de algumas profissões consideradas de risco.

Se você está cogitando contratar um seguro de vida ou quer entender melhor como funciona, esse artigo é para você!

O que é um seguro de vida

O seguro de vida é um contrato firmado entre cidadãos, empresas e seguradoras ou instituições financeiras que tentam proteger financeiramente consumidores em casos de morte ou doença grave.

Assim como os demais tipos de seguro, ele serve para cobrir um risco – nesse caso, que afete a vida de quem contrata o serviço.

A principal função dele então é evitar que uma família fique desamparada quando um ente querido morre ou fique muito doente.

Como funciona o seguro de vida

Quem contrata um seguro de vida precisa definir um plano e as coberturas. Esses dois itens são determinantes para saber o valor que é necessário pagar e quanto a família receberia em caso de sinistro.

Os valores das parcelas mensais estão relacionados a quantidade de riscos que a pessoa pode sofrer. Assim, quem trabalha com profissões de risco tende a pagar mais do que quem não tem esse tipo de função.

Ah, e o seguro de vida só pode ser acionado se a pessoa que é assegurada não cometer o sinistro de propósito, viu? As cláusulas do contrato costumam ser rígidas e claras nesse sentido.

Quando um seguro de vida pode ser acionado?

A família de quem paga seguro de vida pode receber indenização em casos de:

  • Morte acidental ou natural do assegurado (não inclui casos de suicídio);
  • Cobrir as despesas de assistência funerária;
  • Invalidez permanente total ou parcial;
  • Custeamento de doenças graves;
  • Em caso de ser autônomo e ficar temporariamente incapaz por motivos de doença.

E então, vale a pena ou não contratar um seguro?

Infelizmente não há uma resposta pronta para isso.

Antes de decidir se essa é ou não uma boa opção para você, recomendamos que cheque na empresa que trabalha se você já paga seguro de vida - normalmente esse valor é subsidiado pelo empregador.

Depois, avalie os riscos da sua profissão, do seu estilo de vida e o quão importante financeiramente você é para o sustento da sua família.

Com isso tudo mapeado, avalie os contratos oferecidos pelas empresas especializadas nesse tipo de seguro. Eles são realmente vantajosos? Quais itens estão cobertos pelo contrato?

As informações vão te ajudar a entender se vale mais a pena pagar uma mensalidade de seguro de vida ou depositar esse valor em algum tipo de investimento que renda mais e que dê mais segurança para você e sua família.

Esse é o tipo de conta que você deve avaliar bastante antes de contratar, viu? E não se esqueça de ver se ele cabe dentro do seu orçamento 😉

 

E aí, ficou com alguma dúvida sobre como funciona o seguro de vida? Conta pra gente nos comentários!

Leia mais:

+ Reserva de emergência: quando e como eu posso gastar?

+ Como transformar o cartão de crédito em um aliado

+ Guia de planejamento financeiro para quem não tem salário fixo

Comentários