Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Como começar seu plano de independência financeira hoje mesmo

Time Neon

Se você ainda não tem um plano de independência financeira, é bom arregaçar as mangas e começar a prepará-lo.

Esse planejamento mostra o caminho para conquistar sua autonomia e viver de rendimentos no futuro, sem precisar necessariamente trabalhar para isso - só se você quiser.

Para muitas pessoas, a independência financeira é a nova aposentadoria, que pode chegar bem antes da terceira idade para quem consegue construir patrimônio e gerar renda passiva.

Quer retomar o poder sobre o seu dinheiro? Faça como milhares de pessoas e comece já no Desafio das 52 Semanas! É de graça :piscando_olho:

COMEÇAR DESAFIO DAS 52 SEMANAS

Se você também sonha em não depender mais do emprego ou ter mais tempo para aproveitar sua vida, é melhor começar seu plano de independência financeira o quanto antes.

Leia até o fim e veja como é possível chegar lá!

O que é um plano de independência financeira?

Um plano de independência financeira é um roteiro com todos os passos necessários para se tornar independente em relação ao dinheiro.

Para a maioria das pessoas, isso significa não depender mais de um emprego para se manter e viver apenas dos recursos acumulados e seus rendimentos. Mas a independência financeira também pode significar manter um orçamento equilibrado e trabalhar por questão de escolha, por exemplo.

De qualquer forma, ser independente financeiramente significa ter reservas suficientes para não ser obrigado a exercer atividades remuneradas - ou seja, você poderia recorrer a esse patrimônio a qualquer momento e bancar seu padrão de vida sem dificuldades.

Por isso, essa ideia está associada à aposentadoria ou ao famoso sonho de “ficar rico”. Para que não fique apenas nos sonhos, é preciso ter um plano de independência financeira bem estruturado, com começo, meio e fim.

Por que é importante ter um plano de independência financeira?

O plano de independência financeira transforma o sonho de viver da sua própria renda em um projeto totalmente viável. Afinal, todos podem alcançar esse estágio na vida: basta se planejar de acordo com a sua realidade financeira e pensar no amanhã.

Basicamente, o segredo da independência financeira é ter renda passiva (também chamada de renda residual), que consiste em ganhar dinheiro sem precisar trabalhar ou sem gastar muito tempo para isso.

O exemplo mais comum desse tipo de renda são os aluguéis pagos mensalmente a proprietários de imóveis, assim como rendimentos de aplicações financeiras e dividendos de empresas pagos aos investidores.

Independentemente do que aconteça, você poderá contar com esses rendimentos todo mês sem fazer nenhum esforço.

Claro que você também pode gerar renda ativa (aquela que exige tempo e trabalho) mesmo quando for independente, prestando serviços, trabalhando para uma empresa ou gerenciando um negócio próprio, por exemplo.

Mas, para chegar ao ponto de não depender desse dinheiro, a renda passiva deve ser suficiente para cobrir seus gastos e custear seu estilo de vida - o que chamamos, efetivamente, de independência financeira.

Logo, você precisa de um bom plano para atingir esse objetivo, que envolva organização das finanças, metas de poupança e estratégias de investimento.

7 estágios da independência financeira

Para traçar um plano de independência financeira, você precisa entender que existem várias etapas ao longo do caminho. Esses estágios foram descritos pelo planejador financeiro e referência mundial na área Joshua Sheats, autor do podcast Radical Personal Finance.

Confira os 7 degraus até a independência financeira:

1. Dependência financeira

Todos nós partimos do estágio de dependência financeira, já que nossas despesas são pagas pelos pais até a maioridade.

Além dos jovens, são consideradas dependentes financeiras as pessoas que não conseguem cobrir seus gastos e/ou estão endividadas em excesso, ou precisam recorrer constantemente a empréstimos e ajuda de parentes.

2. Solvência financeira

A solvência financeira é atingida quando você consegue se bancar sem dificuldades, pagando todas as contas em dia sem ajuda de ninguém.

O problema é que muitas pessoas acham que esse já é o estágio da independência, quando na verdade estão bem longe desse objetivo.

No máximo, podemos chamá-lo de liberdade financeira, pois você já tem autonomia para decidir como gastar seu dinheiro, mas ainda não está poupando, se planejando ou construindo patrimônio.

3. Estabilidade financeira

No estágio de estabilidade financeira, você deixa de viver no limite da renda e começa a poupar algum dinheiro mensalmente.

Isso significa que todas as contas estão em dia, seu padrão de vida está satisfatório e ainda sobra uma quantia no fim do mês.

Esse é, tecnicamente, o ponto de partida do seu plano de independência financeira, pois você já tem condições de poupar dinheiro e começar a investir.

4. Libertação das dívidas

No quarto estágio, você enfim se liberta das dívidas, que são o principal obstáculo ao plano de independência financeira. Essa é uma etapa fundamental para consolidar sua reserva e diversificar seus investimentos sem a preocupação com prestações, juros e empréstimos.

Pense assim: enquanto você tiver dívidas, estará pagando juros para os outros em vez de receber juros em aplicações - uma ideia que vai na contramão da independência financeira.

Por isso, esse é o momento de buscar oportunidades no mercado financeiro e multiplicar seu capital.

5. Segurança financeira

No estágio da segurança financeira, seus investimentos já estão rendendo o suficiente para bancar seus custos básicos. Isso significa que você está gerando uma boa renda passiva mensal e já não depende do seu emprego para cobrir os gastos essenciais.

É o início da independência, mas ainda falta um pouco para ficar totalmente livre do trabalho e obrigações, se for o seu objetivo.

6. Independência financeira

Enfim, a tão sonhada independência financeira chega quando sua renda passiva banca seu padrão de vida com folga.

Nesse estágio, você já recebe juros de aplicações, dividendos, aluguéis, royalties, remunerações de infoprodutos e outros tipos de rendimentos que, somados, cobrem todos os seus gastos e permitem levar uma vida confortável sem recorrer a outras fontes de renda.

A renda também deve ser suficiente para pagar seu padrão de vida em longo prazo, para que você tenha uma aposentadoria tranquila - lembrando que a independência financeira pode chegar bem antes da terceira idade.

7. Abundância financeira

Sim, existe um estágio acima da independência que podemos chamar de abundância financeira - ou simplesmente riqueza, se preferir. Quem chega nesse ponto consegue multiplicar seu patrimônio para elevar seu padrão de vida e realizar os sonhos mais ambiciosos.

Nesse caso, o padrão de vida já está garantido há muito tempo, e você continua aumentando seus ganhos com renda passiva e, possivelmente, renda ativa para ir ainda mais longe.

Como montar um planejamento de independência financeira em 5 passos

Agora podemos partir para a prática e começar a montar o plano de independência financeira!

Confira os passos essenciais:

1. Assuma o controle do seu orçamento

O primeiro passo para fazer seu plano de independência financeira é assumir o controle do seu orçamento. Isso significa saber exatamente para onde vai seu dinheiro e registrar todas as receitas e despesas mensalmente, além de criar um teto de gastos e controlar de perto sua conta bancária.

Para facilitar a tarefa, você pode usar a planilha de gastos exclusiva da Neon, que ajuda a organizar suas finanças de forma simples e prática.

2. Ajuste seu padrão de vida

Para ter sucesso no seu plano de independência financeira, você terá que ajustar seu padrão de vida à renda atual para gastar menos do que ganha.

Afinal, quanto menor for o prazo até alcançar seu objetivo, maior terá que ser a quantia mensal poupada e investida.

Inclusive, muitas pessoas defendem o minimalismo financeiro como forma de acelerar a conquista da independência, como aqueles influenciadores digitais das finanças que se aposentam antes dos 40.

Nesse caso, a regra é viver a vida mais simples possível e praticar o consumo consciente para acumular patrimônio e deixar de trabalhar mais cedo.

3. Quite as dívidas

Como vimos, as dívidas são uma pedra no sapato quando o assunto é independência financeira. Por isso, é importante priorizar a quitação dos seus débitos e evitar o endividamento a qualquer custo.

Você pode até incluir a parcela de um financiamento longo nos seus gastos mensais, por exemplo, mas tenha em mente que essa despesa reduz sua capacidade de poupar e vai limitar sua renda no futuro.

4. Calcule quanto você precisa poupar

O próximo passo do seu plano de independência financeira é calcular quanto você precisará poupar para viver de renda passiva no futuro, considerando o padrão de vida que quer manter.

Uma forma simples de fazer isso é usando a seguinte fórmula:

Patrimônio necessário = gasto anual/(juros reais/10)

No caso, juros reais são a porcentagem de rentabilidade dos seus investimentos já com o desconto da inflação - ou seja, quanto você realmente está ganhando na aplicação após a correção.

Por exemplo, se você investe em um título do Tesouro Direto com rendimento prefixado de 7% ao ano e a inflação fecha o ano em 3%, os juros reais são de 4% ao ano.

Supondo que seus gastos anuais totalizem R$ 30 mil, basta fazer o cálculo:

R$ 30.000,00 / 0,04 = R$ 750 mil

Logo, você precisaria juntar um patrimônio de R$ 750 mil rendendo a 4% ao ano para ter uma renda garantida de R$ 2.500,00 por mês sem fazer mais nada, simplificando ao máximo e desconsiderando as variações da inflação e rentabilidade.

Lembrando que você pode definir qualquer meta financeira que quiser, dependendo de quanto quer ganhar por mês.

5. Estude investimentos

Como você deve ter notado, os investimentos são a peça-chave para alcançar a independência financeira. Por isso, você precisa estudar o mercado financeiro e entender quais são os melhores ativos geradores de renda a longo prazo.

Além das opções tradicionais como aluguéis de imóveis, você precisa ter uma carteira de investimentos diversificada com ativos de renda fixa (rentabilidade conhecida no momento da aplicação, como Tesouro Direto e CDB) e renda variável (rentabilidade imprevisível, como ações e câmbio).

Essas aplicações e títulos vão gerar renda passiva e multiplicar seu patrimônio com o passar dos anos, graças ao efeito dos juros compostos (juros sobre juros).

Assim, quanto mais você investir hoje, maior será sua renda amanhã e mais recursos você terá para aproveitar sua liberdade.

E aí, deu para começar seu plano de independência financeira? Conte o que achou das dicas e quais são seus objetivos nos comentários.

Leia mais:

+ Como se planejar para morar sozinho: 7 passos para a independência

+ Guia de planejamento financeiro para quem não tem salário fixo

+ O que é e como lidar com uma cobrança indevida?

Comentários