Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Descubra o que é IPCA e como ele impacta sua vida financeira

Time Neon

Você sabe o que é IPCA e como ele afeta seu bolso, suas compras e até seu acesso ao crédito?

Em maio de 2020, esse índice foi de -0,38%, o que significa que os preços de produtos e serviços básicos caíram - o que chamamos de deflação. Quando o resultado é positivo, quer dizer que houve alta nos preços, ou a famosa (e temida) inflação.

Felizmente, os tempos de inflação descontrolada parecem ter ficado para trás e hoje temos uma variação de preços dentro do normal no Brasil.

Mesmo assim, é importante acompanharmos o IPCA e entender como ele impacta sua vida financeira e quais são as perspectivas para a economia do País.

Continue lendo para saber tudo sobre esse indicador. Nesse artigo vamos te explicar:


 

Aproveite a leitura 😉

O que é IPCA

Dá para entender o que é IPCA (chamado também de Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em poucas palavras: ele é o principal indicador que mede a taxa de inflação (ou deflação) dos produtos e serviços consumidos no País.

Ou seja: é o índice oficial da variação de preços do varejo, que abrange os itens consumidos pelas famílias com renda entre 1 e 40 salários mínimos (cerca de 90% dos consumidores em áreas urbanas aqui no Brasil).

Seu cálculo é realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) desde 1979, com base na variação de preço de mais de 400 produtos e serviços que fazem parte do dia a dia dos brasileiros.

Entre as categorias pesquisadas estão: alimentação, habitação, vestuário, transportes, despesas pessoais, educação e comunicação.

Basicamente, o instituto coleta os preços dos itens consumidos mês a mês, considerando o peso de cada categoria no orçamento familiar. Assim, é possível calcular se os preços aumentaram (taxa média da inflação) ou diminuíram (deflação). 

Para que serve o IPCA

Depois de saber o que é IPCA, fica fácil entender sua importância na economia brasileira.

A partir desse índice, descobrimos se os preços aumentaram ou diminuíram de um mês para o outro, considerando produtos e serviços básicos como alimentação, passagem de ônibus, material escolar, e assistência médica, por exemplo.

Por isso, ele é considerado o índice oficial da inflação pelo Banco Central e usado como base para definir a política monetária do País e manter a alta dos preços sob controle.

A partir de seu resultado, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) verifica se o Governo Federal atingiu ou não as metas de inflação e define se é preciso manter, baixar ou elevar a taxa de juros básica da economia - a Taxa Selic.

Além disso, o IPCA mostra como anda o custo de vida no Brasil e os movimentos da economia, permitindo um diagnóstico do poder de compra da população, ou seja, quantos produtos e serviços o seu salário consegue pagar.

Para os investidores, ele é um termômetro essencial, pois várias aplicações usam o IPCA como indexador e o índice afeta diretamente a remuneração da renda fixa.

Como o IPCA é calculado

O cálculo do IPCA é realizado pelo Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC) do IBGE, por meio de uma pesquisa mensal em estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, além de concessionárias de serviços públicos e internet.

Os dados são coletados nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís e Aracaju.

Assim, o IBGE divulga o IPCA mensal comparando os dados do mês atual com o anterior, e apresenta o índice acumulado no ano e nos últimos 12 meses.

No site do instituto, também é possível verificar a variação mensal por cidade e categoria de produtos e serviços, além de conferir o histórico do IPCA completo.

Qual a diferença entre INPC e IPCA?

Além de saber o que é IPCA, também é importante conhecer outros indicadores de inflação usados no Brasil.

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), por exemplo, também é calculado pelo IBGE, mas engloba apenas as famílias que ganham de 1 a 5 salários mínimos, que são mais vulneráveis à alta dos preços por conta da baixa renda.

Além disso, o IBGE também divulga o IPCA-15, que leva em conta os preços pesquisados do dia 16 do mês anterior ao dia 15 do mês de referência, e o IPP, voltado para a variação de preços da indústria.

Há ainda outros índices de inflação como o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), calculado pelo Índice Geral de Preços do Mercado e conhecido como “inflação dos aluguéis”, e o IPC-Fipe, que mede a variação de preços na cidade de São Paulo.

4 impactos do IPCA na sua vida financeira

Agora que ficou claro o que é IPCA, já podemos nos concentrar nos impactos desse índice na sua vida financeira. Veja como a inflação afeta seu bolso.

1. Orçamento mensal

O orçamento mensal sofre impacto direto do IPCA, pois a taxa representa a variação média dos preços dos produtos e serviços mais consumidos pelas famílias - com pesos diferentes, de acordo com a importância nos lares.

Mas isso não significa que o seu consumo mensal seguirá sempre a inflação oficial do País, porque o indicador é calculado com base nos hábitos financeiros e de consumo da maioria da população.

Se você é vegetariano e não tem filhos em idade escolar, por exemplo, seu índice de inflação pessoal será bem diferente do IPCA, já que a carne vermelha e a mensalidade escolar têm grande peso no cálculo do IBGE.

Outro exemplo é a situação da inflação de janeiro a maio de 2020: o País acumulou deflação de 0,16% no período, puxada pela queda dos preços dos combustíveis, de acordo com dados do IBGE publicados no jornal Folha de São Paulo. 

No entanto, os alimentos acumularam uma alta de 3,70% no mesmo período, deixando a alimentação mais cara, mesmo com o resultado de queda na média geral. Nesse caso, as famílias de baixa renda foram as mais afetadas, já que a maior parte de seus rendimentos é destinada ao supermercado.

Uma opção, nesse caso, é conferir o IPCA para cada categoria de produtos e serviços, de acordo com o seu consumo usual.

2. Poder de compra

Um dos principais impactos do IPCA é sentido no poder de compra, pois seu dinheiro perde valor à medida que a inflação sobe.

Logo, se a variação do seu salário de um ano para o outro for menor do que o IPCA, significa que os preços dos produtos e serviços vão subir mais do que a sua renda. Ou seja: você vai comprar menos com o mesmo salário - daí a importância da correção pela inflação.

De 2019 para 2020, por exemplo, seria preciso ter um aumento de 4,31% (IPCA acumulado no período) para manter o poder de compra - e acima disso para aumentá-lo.

3. Acesso ao crédito

Além do consumo, o IPCA também afeta as condições de crédito do mercado e o ritmo da economia como um todo.

Basicamente, o Banco Central usa a Taxa Selic como principal mecanismo de controle do IPCA, para evitar uma alta descontrolada e fenômenos como a hiperinflação dos anos 1980.

Funciona assim: se a inflação está subindo além do desejado, o banco aumenta a Taxa Selic para desacelerar a economia e restringir o acesso ao crédito, freando o consumo para reduzir o IPCA.

Do contrário, se a inflação está muito baixa ou negativa (abaixo da meta), o BC diminui a Taxa Selic para estimular o comércio, reduzir juros do crédito e aquecer a economia.

No cenário de 2020, por exemplo, a Selic caiu à mínima histórica de 2,25% ao ano, com meta de inflação de 4% definida pelo Conselho Monetário Nacional. Em um momento como esse, a expectativa é que você tenha maior acesso ao crédito e juros mais baixos - condições essenciais para a recuperação econômica pós-crise.

4. Investimentos

Todos os investimentos são impactados pelo IPCA em alguma medida, já que você precisa garantir, no mínimo, rendimentos acima da inflação para sair ganhando de fato.

A conta é simples: ao fazer uma aplicação ou comprar um ativo, você precisa descontar a inflação, taxas e tributos para descobrir qual o ganho real do investimento. Se a rentabilidade perder para a inflação, como já aconteceu várias vezes com a poupança, significa que você está perdendo dinheiro em vez de ganhar.

Por exemplo, em 2019, a poupança teve retorno real negativo de -0,05%, após descontar a inflação de 4,31%.

Para não ter seu patrimônio corroído, a regra é investir em produtos que acompanhem ou superem o IPCA. Algumas opções da renda fixa são títulos do Tesouro Direto (inclusive, o Tesouro IPCA é indexado à inflação), CDBs, LCIs/LCAs e fundos de investimento.

Em renda variável, é possível ter ganhos bem acima da inflação com ações, por exemplo, mas também é preciso ter mais experiência e um perfil arrojado.

Entendeu o que é IPCA e como esse indicador afeta sua vida financeira? Deixe seu comentário contando se já sentiu o impacto da inflação no orçamento.

Leia mais:

+ Aplicação em CDB da Neon: como funciona e como investir

+ O que é IOF, como funciona e quando é cobrado?

+ Juros compostos: a explicação mais fácil para quem não é de Exatas

Comentários