Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Cheque especial: como se livrar dessa dívida

Leandro Benincá

Se você tem conta corrente e já passou por algum momento de aperto ou emergência financeira, sabe que usar o cheque especial é quase uma ação instintiva. É tão fácil, tão prático, né?

MUITA gente acaba tratando esse crédito como uma extensão da própria conta corrente - mas não é!  

  • Ai, Leandro, mas a fatura do cartão veio mais alta do que eu imaginava!

  • Ai, o condomínio aumentou de repente!

  • Poxa, alguém da minha família ficou doente, eu não esperava gastar isso...

E aí, lá vai você usar o limite da sua conta. Porque tá ali, na sua mão, e o gerente falou com um sorriso no rosto que seria ótimo usar ele para emergências.

Mas ninguém te contou que isso custa MUITO alto, né? Se você já entrou nessa, vou te ensinar a sair. Se ainda não entrou, eu vou te dar bons motivos pra nunca entrar nessa!

Segue comigo aqui!

O que é cheque especial

A verdade é que muita gente já usou o "cheque especial" mesmo sem entender muito bem como ele funciona.

Aliás, muita gente acha que não usa o "cheque especial", porque não usa cheques. Mas usa o limite da conta, que é a mesmíssima coisa. E cada banco dá um nome diferente para este limite, tentando pintar ele de uma corzinha mais bonita e disfarçar o que realmente é: um empréstimo!

E de onde isso surgiu? No tempo em que quase todo mundo usava cheques. Às vezes você soltava um cheque por aí, fazendo uma compra (principalmente os pré-datados) e, na hora que o banco ia descontar da sua conta, o saldo não estava lá.

Geralmente era questão de um dia, ou algumas horas: você tinha feito um depósito, mas o dinheiro não tinha entrado ainda. Ou seu salário demorou um dia a mais pra ser depositado. E seu cheque era devolvido por falta de fundos.

E os bancos (é claro) enxergaram uma oportunidade de lucro nisso. Em vez de gerar todo aquele trabalhão de devolver seu cheque, o banco oferece um "crédito express". Um empréstimo que cubra esse valor negativo da sua conta, por alguns dias, até seu saldo voltar ao normal.

Você ganha a paz de não ter o cheque devolvido por conta de uma besteirinha e seu banco ganha uma BELA taxa de juros em cima desses dias que o dinheiro ficou emprestado para você.

Juros do cheque especial

Com o tempo, o cheque vem sendo cada vez menos usado, mas o tal "limite", não. Hoje em dia, esse limite já fica automaticamente disponível para você - quer você use o dinheiro com um cheque ou com seu cartão de débito.

E os juros continuam absurdamente altos!

Os bancos até dão um motivo para essa taxa alta: como é um empréstimo sem análise de crédito nenhuma, sem garantias e oferecido automaticamente, você é cobrado a mais por essa "comodidade".

Sabe o quanto você é cobrado? Em média, 315% ao ano.

Se fizer as contas, é de apavorar.

Saiba quanto você deve

Então, já aconteceu: você JÁ pegou esse empréstimo, não adianta eu ficar aqui falando que ele é ruim e caro. Já era. Essa vaca já foi pro brejo.

Então vamos ao resgate.

O primeiro passo, claro, é saber exatamente quanto você está devendo. Mas exatamente mesmo. Pode parecer uma dica boba, "chover no molhado", mas a maioria dos devedores simplesmente não sabe o quanto deve.

Esta dica, inclusive, está lá no nosso maravilhoso Manual de Como Sair das Dívidas e Começar a Poupar (recomendo que você leia!):

Descubra quanto você deve. Exatamente o quanto. Pergunte estas três coisas ao seu banco:

  • O valor principal (o quanto você realmente pegou de empréstimo)

  • A taxa de juros que está sendo cobrada de você

  • Quanto está o valor da dívida hoje

Procure saber também o motivo de o limite ter sido usado - pode ter sido uma emergência ou você simplesmente gastou demais porque não segue um planejamento como deveria. Não minta pra si!

Com o valor em mãos, seja honesto e realista - decida quanto você pode pagar por mês.  Essa é a etapa principal: você vai ter que cortar gastos, poupar o máximo possível e focar no pagamento dessa dívida - pra não ter que ver isso se arrastando por meses.

Hora de negociar

Dica de ouro: DÁ PRA NEGOCIAR!

Com a sua dívida, o banco está perdendo e você também. Ele (o banco) esperava receber o dinheiro que te emprestou, e você tem uma dívida crescente e não vai mais conseguir crédito em outras instituições financeiras, além de possivelmente ter seu nome inscrito no SPC e no Serasa.

Não tem outro jeito: vá até o banco (ou ligue pra lá), apresente sua dívida e mostre interesse em negociar e pagar o que deve. Preste atenção na palavra "negociar": o banco já está contando com uma "gordurinha" nos juros que cobrou de você, justamente pra dar margem de negociação. Use isso ao seu favor, e tente pagar menos!

Tire todas as dúvidas sobre o prazo, o valor das parcelas e eventuais descontos para pagamento à vista. SEMPRE FAÇA CONTAS!

É comum que os bancos e financeiras ofereçam boas alternativas, mas você tem que ter cuidado com novos juros quando parcela uma dívida. Às vezes a coisa toda só piora.

Conheça seu orçamento

Para quitar sua dívida (e fugir da possibilidade de contrair novas dívidas), é essencial que você tenha controle financeiro.

De novo, eu recomendo o nosso excelente guia de como sair das dívidas e começar a poupar.  Tem uma seção inteirinha ensinando a controlar suas finanças, e você DEVE dar uma lida e colocar os ensinamentos em prática.

Saber quanto entra e quanto sai do seu bolso, todos os dias, é a forma mais eficaz e mais simples de começar a cuidar do seu dinheiro, de verdade.  

Conhecendo o fluxo do seu dinheiro, vai ser mais fácil cortar gastos, saber onde você anda gastando demais e, principalmente, saber quanto tem de orçamento para pagar essa dívida do cheque especial.

Preste atenção no seu dinheiro. Eu não consigo frisar o suficiente o quanto isso vai mudar sua vida!  

Se você já caiu na armadilha do cheque especial, é hora de analisar o porquê de ele ter sido necessário. Foi falta de atenção? Você gastou mais do que deveria naquele mês? Foi realmente uma emergência? E se você tiver outra emergência? Pior ainda!

Passo a passo para sair do cheque especial (e nunca mais voltar)

É provável que você demore muitos meses até quitar sua dívida, dependendo do tamanho dela. Só não se esqueça que, além da dívida, você ainda vai ter os gastos do dia a dia, como condomínio, luz, água, supermercado… a vida continua!

Por isso, aqui vão algumas alternativas para facilitar sua vida nessa missão:

1. Parcelas suaves

Sim, é normal querer se livrar da dívida o quanto antes. Se você puder apertar as contas e pagar tudo à vista, muito melhor! Mas nem sempre isso é possível, né?  

Se você não tem o valor integral, é melhor optar por suaves prestações.

Eu sei, estender o pagamento por prazos longos não é muito agradável. Mas se você comprometer suas despesas mensais, provavelmente não vai conseguir honrar com o seu parcelamento.

Seja realista e escolha uma forma de pagamento que você possa cumprir. Hoje e até o final das prestações.

2. Troque de dívida

Esta, provavelmente, é a melhor saída para a maioria das dívidas caras, como o limite do cheque especial e as dívidas de cartão de crédito.

Você substitui a sua dívida cara por outra mais barata.

Uma das alternativas mais fáceis é pegar um empréstimo pessoal - que tem juros menores. Você faz o empréstimo (pode ser que o mesmo banco que você deve te ofereça isso!), usa o dinheiro para pagar sua dívida à vista (e aí pode negociar um valor menor), e depois fica pagando as parcelas do empréstimo.

Mas pra poder fazer isso, aquele meu primeiro conselho é fundamental: você precisa conhecer o tamanho da sua dívida e a taxa de juros dela. Só troque de dívida se o novo empréstimo for realmente mais barato que o antigo.

3. Faça mais dinheiro!

Se endividou? Então é importante que você aproveite todos os recursos disponíveis para quitar essa dívida.

Poupe mais do que nunca, aproveite entradas extras (abonos, décimo terceiro, gratificações, férias), venda as coisas que não tem tanto uso…  

Mas, mesmo assim, pode ser que a grana não seja suficiente. Ou, mesmo que seja, não seria melhor acelerar o pagamento da sua dívida??

Então, por quê não monetizar algum hobbie ou arrumar um dinheirinho a mais? Uma renda extra pode acelerar o processo, trazer novas experiências e muitas vezes, depois de quitar a dívida, você ainda percebe que pode continuar fazendo esse dinheiro extra - mas dessa vez para investir!

Como sempre, a gente também preparou um ótimo guia, cheio de ideias de como fazer Renda Extra, começando hoje mesmo! Dá uma lida, clicando neste link.

4. Reserva de emergência

Não importa o motivo de ter usado o cheque especial, tudo seria diferente se você tivesse uma reserva de emergência, né?

Se o dinheiro que "precisou" estivesse disponível, guardadinho, rendendo juros, você não estaria nessa pindaíba.

Já que não dá pra voltar no tempo e não contrair sua dívida, você pode começar hoje uma nova reserva, e evitar os problemas futuros!

Quando terminar este artigo, você vai organizar o bolso, pagar suas dívidas e depois é hora de se sentir seguro financeiramente. Crie uma reserva de emergência e pense nela como seu colete salva-vidas. Você vai ter dinheiro guardado, rendendo e pronto pra te salvar, SE for necessário!

E se você achou que eu já escrevi sobre como fazer a Reserva de Emergência, explicando um passo a passo de como montar a sua, ACHOU CERTO! Clica neste link, que tem uma parte do nosso guia totalmente dedicada à sua reserva - para deixar você dormir tranquilo!

E claro, o lugar onde você guarda essa grana da reserva faz muita diferença! Na minha opinião, o melhor lugar pra montar sua reserva é no CDB da Neon. Se você não sabe do que eu tô falando, pode aprender tudo sobre CDB, clicando aqui.

Por último e não menos importante: CANCELE seu cheque especial.

Talvez, mesmo depois de adquirir e quitar a dívida do cheque especial, cancelar esse serviço não tenha passado pela sua cabeça. Pra muita gente, é confortável deixar esse limite lá na sua conta, esperando pra ser usado. "Vai que acontece alguma coisa", né?

Não!

Aprenda a viver livre disso. Sua reserva de emergência é fundamental pra ajudar neste processo, mas a sua consciência é mais!

Acredita em mim: se surgir uma emergência e não tiver o limite do especial, você vai dar outro jeito. Essa comodidade está custando muito caro e não passa de uma ilusão.

Só diminuir o valor do seu limite pode não ser o suficiente, se você é uma pessoa impulsiva.

Cancele a sua linha de crédito, para evitar tentações. É o melhor conselho que eu posso dar. Seu gerente do banco vai me odiar, mas você vai me agradecer, no futuro.

Com organização financeira e uma reserva de emergência construída, você com certeza não vai sentir saudade dos juros do cheque especial e da (caríssima) facilidade que vem com ele!

E, como sempre, se ficou alguma dúvida, conta comigo! É só perguntar nos comentários.

Um abração, e vamos fugir das dívidas!

Comentários