Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

O que é balança comercial, como é calculada e para que serve?

Time Neon

Você sabe o que é balança comercial e o que esse indicador econômico muda na sua vida? Basicamente, estamos falando da diferença entre as exportações e importações do país, ou seja, o saldo do comércio exterior.

Dependendo do equilíbrio entre a compra e venda de produtos no mercado internacional, nossa economia pode crescer ou recuar, afetando seu poder de compra, qualidade de vida e acesso a bens e serviços.

Por isso, vamos explicar o que é balança comercial em detalhes para deixar você por dentro do assunto. Confira!

O que é balança comercial

É simples entender o que é balança comercial: um indicador econômico que mostra a diferença entre as exportações e importações do país em determinado período.

Lembrando que exportações são bens e serviços produzidos no país e vendidos no exterior, enquanto importações são bens produzidos no exterior e comercializados dentro do país.

Essa balança serve como parâmetro para entender como andam as negociações de bens e serviços com outros países e se a política comercial está tendo um bom desempenho, a partir da seguinte fórmula:

Saldo da balança comercial = valor total das exportações - valor total das importações

Se o resultado for positivo, significa que há um superávit na balança, ou seja, as exportações superaram as importações e entrou mais dinheiro no país.

Se for negativo, há um déficit que indica prejuízo ou custos superiores aos ganhos no comércio exterior.

Há também a possibilidade de que as importações se igualem às exportações, indicando um equilíbrio na balança comercial.

Para que serve a balança comercial

A balança comercial é um dos indicadores econômicos mais importantes para entender a situação financeira do país e suas relações internacionais.

Quando o saldo final é de superávit comercial, significa que o país está produzindo mais, vendendo mais e aumentando também o seu Produto Interno Bruto (PIB) — ou seja, há um cenário de crescimento econômico.

Por outro lado, se houver um déficit, quer dizer que o país comprou mais do que vendeu e registrou um prejuízo na balança comercial, que pode derrubar a produção e gerar várias consequências negativas para a economia.

Outro ponto importante é a chamada “taxa de cobertura”, que indica em que medida as exportações estão bancando as importações a partir da seguinte fórmula:

Taxa de cobertura = exportações / importações x 100

Quanto maior essa taxa, maior o grau de independência comercial do país em relação ao mercado externo.

Como funciona a balança comercial no mundo

Todo país procura manter sua balança comercial positiva para crescer, mas as dinâmicas de importações e exportações mudam bastante conforme o grau de desenvolvimento e capacidade produtiva.

De modo geral, os países mais ricos produzem e exportam bens e serviços com maior valor agregado, já que contam com uma indústria avançada e tecnologia de ponta. Já os países em desenvolvimento, como o Brasil, costumam exportar produtos com menor valor agregado, principalmente commodities (produtos que funcionam como matéria-prima, como petróleo, soja e café, por exemplo).

A China, por exemplo, é líder absoluta em exportações mundiais, conhecida por vender seus produtos tecnológicos para todo o planeta. Da mesma forma, os Estados Unidos vêm em segundo lugar entre os maiores exportadores, com foco em produtos eletrônicos, alimentos e bebidas, veículos, máquinas e aeronaves.

O Brasil ocupa o 27º lugar na lista de maiores exportadores e o 28º lugar no ranking dos maiores importadores do mundo, conforme dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) publicados em 2019 pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI).

No mundo, nosso país é conhecido como um grande exportador de milho, soja, ferro, café e celulose.

Fatores que influenciam a balança comercial

A balança comercial é influenciada por uma série de fatores econômicos e políticos. Confira os mais importantes.

Taxa de câmbio

A taxa de câmbio é um dos fatores-chave da balança comercial, pois determina o valor da moeda estrangeira em relação à moeda nacional.

Por exemplo, quando o real se desvaloriza muito em relação ao dólar, os produtos do Brasil ficam mais baratos e as exportações tendem a aumentar, ao mesmo tempo em que encarecem as importações.

Por outro lado, com um real forte, os produtos importados ficam mais baratos e as exportações se tornam menos atrativas para os compradores de outros países.

Durante a pandemia do coronavírus, por exemplo, a alta do dólar foi apontada como fator importante para o aumento das exportações e recuperação econômica do país.

Cenário econômico internacional

O saldo da balança comercial também depende da situação econômica dos países parceiros.

Por exemplo, se a China, principal parceiro comercial do Brasil, entra em recessão, cai a demanda por produtos brasileiros, o que pode levar a um déficit na nossa balança.

Da mesma forma, se vários países estão interessados em um produto brasileiro, as exportações aumentam e o seu preço pode ficar mais elevado.

Protecionismo

O protecionismo é uma política econômica que procura inibir a entrada de produtos importados no país por meio de impostos e taxas, com o objetivo de proteger a economia nacional e seus produtores.

Quanto maior o grau de protecionismo de um país, maiores são as barreiras para importações. Dessa forma, o mercado interno ganha fôlego e os produtos estrangeiros ficam mais caros, incentivando o consumo de bens e serviços nacionais.

No entanto, o protecionismo está do lado oposto do livre comércio, já que diminui a competitividade, reduz a liberdade econômica e dispara os preços dos importados, prejudicando o consumidor.

4 formas como a balança comercial afeta seu bolso

Agora que você sabe o que é balança comercial e como ela funciona, precisa entender como esse indicador afeta seu bolso.

Geração de emprego

De modo geral, se as exportações vão bem, as empresas do país conseguem ampliar sua capacidade produtiva, elevar o PIB e, consequentemente, gerar mais empregos.

Do contrário, um déficit pode causar um recuo na produção e prejudicar o desempenho dos negócios nacionais, diminuindo também a demanda por mão de obra.

Dessa forma, a taxa de desemprego pode aumentar quando a balança comercial pende para as importações.

Controle da inflação

A balança comercial também pode influenciar na taxa de inflação do país e impactar o poder de compra da população.

Entenda aqui o que é inflação e por que seu bolso e sua vida são afetados por ela.

Quando o resultado é de déficit comercial, por exemplo, a tendência é a saída de dólares do país, diminuição das reservas brasileiras, redução de investimentos e aumento da dívida pública — fatores que, combinados, podem disparar os preços no país.

Em um cenário desses, a população perde poder de compra e a moeda nacional enfraquece ainda mais diante do dólar.

Análise de investimentos

Quem está no mercado financeiro precisa ficar de olho na balança comercial para tomar decisões de investimentos.

Em um cenário de superávit comercial, o investidor pode enxergar oportunidades no fortalecimento das empresas brasileiras e comprar ações dos segmentos que estão tendo os melhores resultados nas exportações, por exemplo.

Já em um contexto de déficit comercial, o caminho é olhar para as empresas estrangeiras e proteger o poder de compra.

Acesso a produtos importados

Como vimos, uma política protecionista pode até aumentar as exportações e impulsionar o crescimento do país, mas também dificulta o acesso aos produtos importados.

Para quem gosta de ter muitas opções de itens estrangeiros no mercado, o cenário pode não ser muito vantajoso, mesmo que a economia nacional esteja indo bem.

Quando as importações são reduzidas ou taxadas, os preços aumentam e há menos variedade no comércio.

Como acompanhar a balança comercial do Brasil

O Ministério da Economia divulga todos os resultados da balança comercial na seção de Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

Para uma visualização mais amigável, você pode acessar o portal Comex Stat, que permite fazer consultas detalhadas das exportações e importações do país e ter acesso a gráficos exclusivos.

De janeiro a setembro de 2020, por exemplo, as exportações somaram US$ 156,5 bilhões e as importações US$ 114,3 bilhões, resultando em um superávit de US$ 42,1 bilhões — repare que os valores são dados em dólares.

Em comparação com os resultados de 2019, houve uma queda de 7,7% nas exportações e 14,4% nas importações, como reflexo da crise do coronavírus.

Estes foram os 10 países que mais compraram produtos brasileiros no período:

  • China (34,1% das exportações)
  • Estados Unidos (9,69% das exportações)
  • Argentina (3,79% das exportações)
  • Países Baixos (3,77% das exportações)
  • Espanha (6,6% das exportações)
  • Canadá (1,9% das exportações)
  • Japão (1,88% das exportações)
  • Alemanha (1,87% das exportações)
  • México (1,75% das exportações)
  • Chile (1,71% das exportações)

 

Em relação aos produtos exportados, estes foram os destaques:

  • Soja (17%)
  • Minério de ferro e seus concentrados (11%)
  • Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos (9,8%)
  • Açúcares e melaços (3,8%)
  • Carne bovina fresca refrigerada ou congelada (3,4%)
  • Celulose (2,9%)
  • Café não torrado (2,2%)

 

E estes foram os produtos mais importados:

  • Adubos e fertilizantes químicos (5,1%)
  • Óleos combustíveis de petróleo (4,9%)
  • Plataformas, embarcações e estruturas flutuantes (4,8%)
  • Equipamentos de telecomunicações (4,2%)
  • Obras de ferro e aço (3,7%)
  • Compostos organo-inorgânicos (3,5%)
  • Válvulas e tubos (3,4%).

 

Entendeu o que é a balança comercial e como ela afeta a economia e seu bolso? Conta para a gente nos comentários se você já conhecia esse conceito.

Comentários