Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

A importância do autoconhecimento para decidir sobre seu dinheiro

Time Neon

A importância do autoconhecimento na vida financeira deveria ser um tema recorrente nas nossas vidas.

Afinal, por que tomamos decisões financeiras movidos por emoções? Por que é tão difícil poupar? E o que realmente sentimos e pensamos quando o assunto é dinheiro?

Essas e outras perguntas vão ser respondidas ao longo do nosso artigo sobre a importância do autoconhecimento nas finanças.

Leia até o fim e descubra o que está por trás das suas escolhas financeiras.

Importância do autoconhecimento

A importância do autoconhecimento deveria ser nossa primeira lição de vida, já que nada é tão essencial quanto conhecer a si mesmo.

Isso significa saber qual é sua essência e princípios, conhecer seus pontos fortes e fracos, ter domínio dos seus pensamentos, compreender o que você sente e entender exatamente quem você é e aonde quer chegar.

Infelizmente, nós costumamos saber mais sobre os outros do que sobre nós mesmos, pois nossa cultura é bastante voltada ao mundo exterior.

Como resultado, temos pouca consciência de nossas ações e emoções, e nem sempre conseguimos decifrar nossas próprias atitudes, medos, desejos e crenças.

Por exemplo, você já sofreu com impulsos difíceis de controlar? Pensou que estava buscando um grande objetivo, mas se sentiu infeliz quando chegou lá? Questionou o caminho que estava seguindo e ficou confuso com suas escolhas?

Esses são alguns dos sintomas da falta de autoconhecimento, que afeta sua capacidade de direcionar suas metas, controlar suas emoções e reconhecer o que é melhor para você.

Por isso, tantas pessoas recorrem à terapia ou às sessões de coaching para encontrar a si mesmas e resolver seus problemas.

Ao dar a devida importância ao autoconhecimento, você consegue:

  • Investigar seus propósitos e motivações mais profundas;
  • Vencer seus medos e crenças limitantes;
  • Traçar os objetivos certos para a sua vida;
  • Lidar com seus defeitos e reforçar suas virtudes;
  • Aproveitar ao máximo seu potencial;
  • Assumir o controle das suas emoções para tomar decisões racionais.

     

São motivos suficientes para olhar para dentro e fazer uma boa autoanálise, não acha?

Importância do autoconhecimento nas finanças

Depois dessa introdução ao conceito, vai ser mais fácil entender a importância do autoconhecimento nas finanças.

Você consegue imaginar por que é preciso se conhecer para ter uma relação melhor com o dinheiro?

A resposta está no que chamamos de “economia comportamental”, uma ciência que estuda os efeitos dos fatores psicológicos e emocionais nas decisões financeiras.

Segundo os estudos dessa área, você pensa que toma decisões racionais sobre seu dinheiro.

Mas, na verdade, é o seu lado irracional, ou seja, suas emoções e impulsos, que estão determinando suas escolhas financeiras.

Pesquisadores como Daniel Kahneman descobriram isso observando alguns comportamentos falhos das pessoas em relação às finanças, tais como:

  • Comprar compulsivamente, mesmo quando os gastos não cabem no orçamento;
  • Decidir sobre gastos muito rapidamente e sem pensar muito;
  • Priorizar desejos imediatos em vez de objetivos de longo prazo (exemplo: gastar o dinheiro das economias em uma liquidação do shopping e atrasar ainda mais a compra da casa própria);
  • Comprar para aliviar frustração, tristeza e estresse;
  • Não conseguir poupar de jeito nenhum e gastar tudo o que ganha;
  • Ligar muito para a opinião dos outros na hora de fazer escolhas financeiras.

     

Se você se identifica com algum desses comportamentos, saiba que é importante reforçar o autoconhecimento para combater esses hábitos.

Quando você se conhece melhor, consegue identificar o que está causando essas atitudes e controlar suas emoções para cuidar do dinheiro de forma inteligente.

Por isso, essa prática é tão importante para qualquer pessoa que queira organizar sua vida financeira.

Como o autoconhecimento pode ajudar nas suas finanças

Não restam dúvidas sobre a importância do autoconhecimento na vida financeira quando você começa a analisar sua relação com o dinheiro.

Algumas pessoas têm dificuldade em construir patrimônio porque ouviram desde cedo que ter muito dinheiro é uma atitude “egoísta”, enquanto outras não conseguem poupar porque já passaram por privações e sentem a urgência de aproveitar o presente ao máximo.

Esses são apenas alguns exemplos de problemas de controle financeiro que têm raízes psicológicas profundas, mas é possível ir muito mais longe.

De acordo com a economista Flávia Ávila, especialista em economia comportamental, existem mais de 100 desvios emocionais que atrapalham nossos processos de decisão financeira.

Em entrevista à Folha, ela explica que esses desvios, chamados de “vieses” na linguagem técnica, são atitudes irracionais que nos levam a fazer escolhas equivocadas sobre dinheiro.

Veja alguns exemplos que reforçam a importância do autoconhecimento nas finanças:

  • Viés do presente: é a tendência de enxergar apenas os desejos imediatos e ceder aos impulsos de consumo, em vez de pensar em poupar para realizar seus planos futuros;
  • Viés da inércia: é a dificuldade de sair de uma situação e tendência a deixar tudo como está, como quando você deixa uma dívida se acumular em vez de tomar uma atitude e tentar negociar com o credor;
  • Viés da aversão à perda: é um sentimento que torna insuportável a ideia de perder alguma coisa, mesmo que seja uma decisão mais inteligente (exemplo: começar a guardar dinheiro antes de quitar as dívidas, mesmo que os juros devidos sejam mais altos que os rendimentos);
  • Viés da prova social: é a tendência a valorizar demais as opiniões das outras pessoas e se basear na experiência delas para fazer suas escolhas (exemplo: aplicar em um determinado investimento porque viu outras pessoas falando bem dele, sem fazer sua própria análise).

     

Com o autoconhecimento, você consegue identificar e fugir dessas armadilhas a tempo, além de desenvolver sua inteligência emocional para tomar decisões mais conscientes sobre seu bolso.

6 dicas para aplicar o autoconhecimento à sua vida financeira

Agora que você entendeu a importância do autoconhecimento para as finanças, está na hora de testar na prática.

Confira algumas dicas para aplicar seu aprendizado.

1. Identifique os gatilhos que fazem você gastar

Se você tem dificuldade para juntar dinheiro, pode usar o autoconhecimento para identificar os gatilhos que estão fazendo você gastar mais do que devia.

Para isso, você precisa descobrir quais situações deixam você mais vulnerável às compras por impulso e gastos desnecessários.

Por exemplo, tem gente que não consegue dizer “não” para propostas irresistíveis de vendedores, como “faço em 12 vezes sem juros”, “a promoção é só hoje” e “essa é a última peça”.

Outras pessoas não conseguem se controlar nas lojas online e acabam enchendo o carrinho para aproveitar o frete grátis.

Cabe a você encontrar esses gatilhos e treinar sua resistência para não cair mais em tentação e se manter firme nas metas.

2. Mude suas crenças sobre dinheiro

A importância do autoconhecimento fica clara quando você entende suas crenças inconscientes sobre dinheiro.

Como vimos, existem pessoas que foram ensinadas que “ricos são más pessoas”, outras que não tiveram qualquer educação financeira e ainda aquelas que tratam as finanças como um tabu.

Para ter uma relação mais saudável com o bolso, você terá que mudar essas concepções e enxergar o dinheiro como um meio para realizar sonhos e ter liberdade de escolha na vida.

Além disso, lembre-se que controle financeiro não precisa ser sinônimo de burocracia — a conta digital Neon está aí para provar.

3. Entenda o que você quer

O autoconhecimento também é uma ferramenta essencial para entender o que você quer e criar seu planejamento financeiro.

Para isso, você pode começar se perguntando:

  • Quais são minhas metas financeiras de curto, médio e longo prazo?
  • Quais são minhas prioridades para o futuro?
  • Onde quero estar daqui a 5, 10, 20 anos?
  • O que significa sucesso financeiro para mim?

     

A partir dessas e outras respostas, você terá conhecimento suficiente sobre si mesmo para definir a melhor forma de gerenciar seu dinheiro para alcançar seus objetivos.

4. Assuma o controle do seu orçamento

Para aplicar o autoconhecimento às finanças, você precisa saber exatamente quanto gasta e com o quê.

Afinal, se você nem sabe para onde está indo seu dinheiro, é porque está completamente desconectado dos seus hábitos e sem rumo na vida financeira.

Por isso, é fundamental assumir o controle do orçamento, registrar seus ganhos e gastos e garantir que sobre dinheiro no final do mês para os seus objetivos — aqui está nossa planilha de gastos para ajudar.

5. Tome cuidado com opiniões alheias

Como vimos, se deixar levar pela opinião alheia é um comportamento perigoso nas finanças.

Por isso, é melhor pensar bem antes de seguir dicas de investimentos de desconhecidos e usar qualquer método financeiro sugerido por aí.

Na dúvida, procure por conteúdos confiáveis, estude o mercado financeiro e compartilhe seus planos apenas com amigos e familiares.

6. Faça dinheiro com seus talentos

Por fim, o autoconhecimento ainda pode ser útil para explorar seus talentos e ganhar um dinheiro extra.

Conhecendo melhor seus pontos fortes e habilidades, você pode se aventurar em trabalhos freelancer, fazer produtos artesanais para vender ou usar sua experiência para abrir um negócio próprio, por exemplo.

Além disso, será mais fácil desenvolver sua criatividade para inovar na vida financeira e encontrar novas soluções.

Ficou clara a importância do autoconhecimento para transformar suas finanças pessoais?

Deixe seu comentário contando pra gente o que achou do assunto 😊

Leia mais:

+ Desafio 52 semanas: aprendendo a juntar dinheiro e realizando sonhos

+ 7 dicas para falar melhor em público e vencer seus medos

+ Como fazer networking com as pessoas certas e avançar na carreira

Comentários