Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Como funciona o fluxo do cartão de crédito: passo a passo

Time Neon

Já parou pra pensar como funciona o fluxo de compra pelo cartão de crédito? Para onde vai o dinheiro? Tudo bem, a pessoa da loja passa nosso cartão na maquininha. Mas e depois?

Antes de te explicar como funciona o fluxo do cartão de crédito, é importante entender quem é quem nessa história toda. Vamos lá!

Portador (a)

O nome é técnico, mas basicamente representa o cliente, ou seja, você, que usa cartão de crédito para pagar suas comprinhas.

Adquirente ou credenciadora

O nome tanto faz – você vai ouvir falar nos dois-, é uma instituição de pagamento que opera com autorização do Banco Central (BC).

Por exemplo: sabe o nome que vai na maquininha do cartão? Pois é sobre ela que estamos falando! Antigamente, eram poucas, mas hoje têm várias!

Os clientes dessas empresas são os lojistas, ou seja, o lugar (físico ou on-line) onde você vai fazer suas compras.

Bandeira

Essa empresa também opera por licença do Banco Central e é responsável pelas regras de funcionamento e operacionalização do arranjo de pagamentos.

A bandeira administra a relação entre banco, credenciadora e facilitador de pagamento (conhecido também como sub-adquirente).

Detalhe importante: a bandeira não fica responsável por processar as transações, somente permite que as operações ocorram.

A bandeira é aquele nome que vem no seu cartão – no caso dos cartões de crédito e débito da Neon, a bandeira é Visa.

Banco emissor

É a instituição responsável pela emissão dos cartões de crédito. Por exemplo, nós emitimos o cartão de crédito da Neon para você.

Quando você faz uma compra com o cartão da Neon, nós recebemos uma autorização e, caso a transação seja aprovada, ocorre a liquidação com o adquirente. Sacou?

Tudo isso tem prazo, ou seja, o lojista pode receber no mesmo dia ou demorar um tempinho para ver o dinheiro cair na conta. Vai depender muito do emissor, da credenciadora, e por aí vai.

Facilitador de pagamento (sub-adquirente) 

Essa empresa atua como um intermediário na conexão entre o lojista e o sistema de pagamentos.

Sua atuação ocorre por meio das credenciadoras ou sub-credenciadoras. Em geral, os sub-adquirentes estão presentes nas compras on-line. Entre os exemplos mais comuns estão PayPal e Adyen.

Como funciona o fluxo de uma compra com cartão de crédito

Agora que você já sabe os nomes de todos que estão envolvidos no projeto, está na hora de conferir como funciona o fluxo do cartão de crédito!

Quando o cartão de crédito é inserido numa maquininha, a adquirente recebe os dados da transação e envia-os para a instituição emissora, por exemplo, um banco.

O adquirente também é responsável por oferecer toda a estrutura para os estabelecimentos comerciais, incluindo as maquininhas POS, assim como cadastra as lojas e faz a chamada liquidação financeira (transforma em dinheiro para os comerciantes) das compras feitas por clientes.

Em geral, funciona assim todo o processo: quando você insere o cartão de crédito em uma maquininha POS, os dados seguem do adquirente para a bandeira (Visa ou Mastercard, por exemplo).

Depois, da bandeira para o banco emissor (no nosso exemplo, a Neon). Assim que as informações chegam, o banco emissor faz toda a checagem, ou seja, será que o cliente tem limite disponível para fazer essa compra?

Se tudo estiver em ordem, a compra é autorizada. Se não houver limite, xi!!! “Transação negada”. Caso seja aprovada, a informação segue uma trajetória inversa para ser cobrado o valor.

Em compras feitas à vista, geralmente, o banco emissor faz a liquidação da transação com o adquirente em D+27 (ou seja, 27 dias depois). Já a credenciadora liquida a compra com o lojista, o comerciante, em D+30, isto é, 30 dias depois da data da transação. Em compras parceladas, a liquidação também é feita em parcelas, por exemplo, 30, 60 e 90 dias.

Para ficar mais claro esse fluxo de compra com o cartão, veja o passo a passo a seguir:

1. O cliente (você) passa o cartão na maquininha da loja onde vai fazer a compra;

2. O lojista envia a transação para a credenciadora. Em alguns casos, há a participação do facilitador de pagamento, que faz a ponte entre o lojista e a credenciadora;

3. A transação sai da credenciadora, passa pela rede da bandeira e chega ao emissor do cartão;

4. Depois de ver se o cliente tem limite para comprar determinado produto ou serviços, o emissor autoriza a transação;

5. Assim, a transação retorna pela rede da bandeira até a credenciadora, que envia a resposta para o lojista;

6. O lojista, por sua vez, conclui a compra.

 

Quanto fica com cada um?

Ao fazer uma venda por cartão (débito ou crédito), a loja tem uma taxa de desconto sobre o valor da transação.

Funciona assim: quando você paga a fatura, o valor repassado pelo adquirente para o lojista já tem a dedução dessa taxa, conhecida como MDR.

No último trimestre de 2018, a taxa média era de 2,48% sobre o preço da compra feita com cartão de crédito, segundo dados do Banco Central (BC).

Vale lembrar que a MDR é uma taxa dividida entre os três agentes, ou seja, banco emissor, credenciadora e bandeira.

Já a tarifa de intercâmbio é uma taxa paga pela credenciadora (ou adquirente) ao banco emissor do cartão. Para transações com cartão de crédito, a taxa de intercâmbio média era de 1,60%, conforme dados do BC.

E aí, ficou com alguma dúvida de como funciona o fluxo do seu cartão de crédito? Fala pra gente nos comentários! 💙

Leia mais:

+ Juros do cartão de crédito e outras coisas que é bom saber

+ Como funciona o rotativo do cartão de crédito

+ Como aumentar o Serasa Score para aprovar crédito bancário

Comentários