Logo_neon-degrade
ABRA SUA CONTA

Décimo terceiro salário: antecipação ajuda nas contas de fim de ano?

Time Neon

O fim do ano está próximo e, com ele, o tão sonhado 13º salário (veja como calcular!). E quem não gosta de ganhar um dinheiro extra, não é mesmo? Mas se está ansioso e pensando em antecipar o valor ou pedir um adiantamento, este texto é pra você.

Uma das maneiras de receber o 13º antes é recorrer aos bancos, tomando um tipo de empréstimo. A vantagem disso é óbvia: ter acesso a um valor na hora, sem precisar esperar a empresa depositar na conta. Seria um sonho se essa opção não tivesse juros tão altos.

Então, não vale a pena antecipar? Depende.

Se você está muito endividado ou precisa pagar alguma dívida logo, porque a bola de neve dos juros está enorme, talvez (anote bem, TALVEZ) seja o caso de considerar o empréstimo. Tudo é uma questão de fazer conta.

Ah, Neon, quero adiantar a grana para fazer a compra de Natal ou separar para as despesas de início do ano. Esse é um perigo, sabia?

Pode ser que o desconto ao comprar antecipadamente os presentes de Natal não seja tão grande a ponto de fazer valer o empréstimo que você pretende tomar.

Como assim? É simples: os juros ao antecipar o 13º podem ser beeeem maiores do que aquele desconto que as lojas vão te oferecer por pagar as compras à vista, por exemplo. Então, faça as contas!

Caso você realmente precise do empréstimo...

Lembre-se: o adiantamento do 13º salário é um empréstimo como outro qualquer, ou seja, tem prazo, juros, encargos, parcelas que devem ser encaixadas no orçamento... Tudo o que você deve estar careca de saber. Por isso, todo cuidado é pouco!

Em geral, especialistas de finanças pessoais recomendam usar essa modalidade de empréstimo para quitar dívidas com juros gigantescos, por exemplo, rotativo do cartão de crédito ou cheque especial.

Isso porque a antecipação do 13º costuma ter taxa de juros menor do que essas linhas de crédito caríssimas. Por isso, não deixe de pesquisar bem antes de contratar, ok?

Mesmo assim, não adianta de nada antecipar o 13º se não houver planejamento financeiro (aqui, explicamos tudinho sobre como se organizar). Isso significa, na prática, ter um orçamento pessoal ou familiar na ponta do lápis ou da planilha para acabar não se perdendo em meio aos compromissos tradicionais de fim de ano, além das despesas que começam a chegar em janeiro, como IPTU, IPVA, matrícula da escola dos filhos e por aí vai.

Vale a pena antecipar o 13º para investir?

Dificilmente, essa resposta vai ser positiva. O motivo é simples: pagar juros de bobeira, apenas para ter uma grana a mais nos investimentos, é sair por aí jogando algumas notas de dinheiro para o alto.

Não seria muito melhor (e mais vantajoso financeiramente, inclusive) manter as contas em dia para ter uma capacidade de poupança maior?

Em outras palavras, deixar a casa arrumada, sem dívidas, com mais dinheiro para guardar todos os meses.

É melhor pedir adiantamento do pagamento de 13º na empresa que trabalho?

Se a ideia não for recorrer aos empréstimos dos bancos, mas sim aceitar a proposta da empresa onde você trabalha em adiantar a grana extra, também é preciso muito cuidado.

Apesar de não ter juros na maioria dos casos, pedir para o patrão antecipar o 13º pode ser uma armadilha e das grandes!

A não ser que você esteja em completo desespero, podendo perder algum bem por causa de dívidas, não faz o menor sentido antecipar o dinheiro.

É melhor esperar a empresa depositar a primeira parcela – que costuma ser até o fim de novembro.

Até lá, vá se organizando para o fim do ano, crie uma lista do que pretende comprar ou pagar para que o 13º dê conta dessas metas. Até porque não é um dinheiro infinito, né?

Sim, pode parecer que não, mas o 13º acaba. Daí a importância de se organizar o quanto antes e entender bem o que quer fazer com o dinheiro extra.

A indicação dos especialistas é unânime: quem tem dívidas deve aproveitar esse dinheiro a mais no fim do ano para colocar as contas em dia. A dica é priorizar os gastos que podem te fazer perder algum bem, por exemplo, as prestações de um financiamento imobiliário. Se as parcelas estiverem atrasadas, corra para resolver essa situação.

Se você não tem contas atrasadas, mas está pagando um empréstimo, pode aproveitar o 13º salário para antecipar o pagamento dessas despesas. Assim, você conseguirá reduzir o número de parcelas que falta pagar ou mesmo diminuir os juros cobrados. Não custa nada negociar com o credor (banco, financeira, loja etc.) para reduzir o valor da dívida caso opte por abater uma parte do total.

Só depois de pagar as dívidas é que dá para pensar em outras formas de usar o 13º. Uma opção, claro, é separar uma quantia para os famosos gastos de início de ano, como IPVA, IPTU, matrícula e material da escola dos filhos etc.

Para não se perder, monte uma lista com essas despesas que se repetem todo ano e veja quanto você costuma gastar com elas.

E se eu não tiver contas pra pagar?

Para quem não tem dívidas e já sabe como vai enfrentar as despesas de começo de ano, vale a pena usar o 13º salário para engordar os investimentos ou, se você não tiver uma reserva de emergência, começar a montar uma.

O ideal, nesse caso, é que o dinheiro esteja investido em aplicações conservadoras, de renda fixa, baixo risco e com liquidez diária (o CDB da Neon, por exemplo).

Agora que você sabe que não é muito interessante adiantar o 13º salário, pense duas vezes antes de pedir o empréstimo no banco ou aceitar a “ajudinha” da empresa onde trabalha.

Aguente firme até novembro e aproveite esse dinheiro extra do melhor jeito. Se pintar alguma dúvida até lá, manda pra gente! 😉

Comentários